Pesquisadores da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, descobriram um novo conjunto de desequilíbrios químicos no cérebro de pessoas com esquizofrenia. A melhor parte da história é que é possível ajustar esse nível usando um composto derivado de brotos de brócolis.

Os resultados aumentam a esperança dos pesquisadores em poder receitar o extrato de brócolis, que contém altos níveis de sulforafano (composto presente em vegetais verdes-escuros), como alternativa aos medicamentos tradicionais. A ideia é que os pacientes, para controlar os sintomas da doença, possam usar a nova fórmula e reduzir as doses dos comprimidos -, reduzindo assim também os efeitos colaterais indesejados.

“É possível que estudos futuros mostrem que o sulforafano é um suplemento seguro para pessoas em risco de desenvolver esquizofrenia, como forma de prevenir, atrasar ou atenuar o aparecimento de sintomas”, afirma Akira Sawa, professor de psiquiatria e ciências comportamentais na Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins.

A esquizofrenia é marcada por alucinações, delírios e pensamentos desordenados, altera comportamentos, percepção e fala. As drogas usadas para tratar a esquizofrenia não funcionam completamente para todos e podem causar uma variedade de efeitos colaterais indesejáveis, incluindo problemas metabólicos que aumentam o risco cardiovascular, movimentos involuntários, inquietação, rigidez e tremores.

Brocólis tem altos níveis de sulforafano, composto presente em vegetais verdes-
escuros. Foto: iStock

Segundo a OMS, a esquizofrenia afeta cerca de 21 milhões de pessoas em todo o mundo. “Para as pessoas predispostas a doenças cardíacas, sabemos que mudanças na dieta e exercícios podem ajudar a evitar a doença, mas ainda não há nada parecido para transtornos mentais graves”, diz Thomas Sedlak, professor assistente de psiquiatria e ciências comportamentais. “Esperamos que um dia tornemos algumas doenças mentais evitáveis ​​até certo ponto”.

Cuidado com cápsulas milagrosas

Os cientistas dizem que mais pesquisas são necessárias para saber se o sulforafano pode reduzir com segurança os sintomas de psicose ou alucinações em pessoas com esquizofrenia. Além disso, ainda é preciso determinar a dose e saber quanto tempo as pessoas devem levar para observar um efeito. Eles também advertem que seus estudos não justificam a venda de suplementos de sulforafane comercialmente disponíveis para tratar ou prevenir a esquizofrenia. Isso porque muitas versões de suplementos de sulforafano já são vendidas em lojas de produtos naturais, mas não são regulamentadas pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos.

O sulforafano é encontrado em uma variedade de vegetais e foi identificado pela primeira vez como substância “quimioprotetora” décadas atrás por Paul Talalay e Jed Fahey, da Johns Hopkins.