A partir de 50 anos, os homens devem procurar um urologista para iniciar a prevenção da doença. | Foto: iStock by GettyImages
- Publicidade -

Durante todo o mês de novembro ocorre mundialmente uma campanha sobre câncer de próstata. A ideia do chamado “Novembro Azul” é levar o máximo de informações possíveis que ajudem a conscientizar e prevenir a doença. Saiba mais sobre o assunto com as dicas e orientações do Dr. Fernando Tardelli.

A próstata é uma glândula do aparelho reprodutor masculino, que pesa cerca de 20 gramas, de forma e tamanho semelhantes a uma castanha. Ela localiza-se abaixo da bexiga e sua principal função, juntamente com as vesículas seminais, é produzir o esperma. Normalmente, a próstata começa a crescer de tamanho a partir dos 40 anos. E o câncer acontece quando as células deste órgão começam a se multiplicar de forma desordenada, isto é, uma mutação de células da próstata.

O câncer de próstata é o câncer mais frequente no sexo masculino, ficando atrás apenas do câncer de pele não melanoma. Estatísticas apontam que a cada seis homens, um é portador da doença. E desses, um em cada 34 irá morrer da doença. A estimativa é de que, em 2015, cerca de 68 mil novos casos sejam diagnosticados, isto é, a descoberta de um caso a cada 7,6 minutos. Em 2011, para se ter uma ideia, houve um óbito a cada 40 minutos, por câncer de próstata.

- Publicidade -

No intuito de aumentar a detecção precoce desse câncer, é realizada a prevenção anual, com o urologista. Os dois principais exames são o PSA (colhido no sangue) e o toque retal.

A Sociedade Brasileira de Urologia recomenda que homens a partir de 50 anos procurem seu urologista para iniciar a prevenção para a doença ou 45 anos – se houver maior risco da doença (história familiar, raça negra, fumantes, obesos).

Os médicos alertam que não se deve esperar ter algum sintoma, pois quando isso acontece o câncer já está avançado. Com diagnóstico precoce, as chances de cura são de 90%.

O problema muito sério é que o exame de toque ainda é um “tabu” para alguns homens. Alguns querem fazer apenas o exame de sangue (PSA), entretanto não há um exame que substitua o toque retal, pois nele, o urologista avalia a presença ou não de nódulos (pequenos caroços) na próstata, além de outras alterações da glândula. A dosagem sanguínea do PSA diagnostica a grande maioria dos tumores, porém em torno de 10 a 20% dos casos não são detectados.

Caso o tumor não seja encontrado no início e já esteja avançado, o paciente pode sentir dificuldade para urinar e levantar várias vezes à noite para ir ao banheiro, dor óssea, queda do estado geral, insuficiência renal. Lembre-se que alguns sintomas descritos acima podem acontecer também somente por um simples aumento benigno da próstata, que ocorre a partir dos 40 anos.

Quanto ao tratamento, de acordo com a fase do tumor e as características do paciente, o médico poderá definir quais as melhores formas de tratamento. Nos estágios iniciais da doença (tumores localizados e localmente avançados) a cirurgia, radioterapia ou até observação monitorada podem ser realizadas. A cirurgia pode ser feita de três formas: aberta, via laparoscópica ou por robótica, sendo as duas últimas abordagens, com incisões menores na pele. Caso a conduta seja por cirurgia, o urologista irá decidir junto com o paciente qual é a melhor para o caso.

- Publicidade -