A esponja de pia da sua cozinha abriga zilhões de micróbios, incluindo “parentes” próximos das bactérias que causam pneumonia e meningite, de acordo com um novo estudo. Um dos micróbios, Moraxella osloensis, pode até causar infecções em pessoas com um sistema imunológico fraco e também é conhecido por causar um mal odor. Mas, sabe o que é pior? Lavar as esponjas não adianta, pelo contrário, pode ser até pior.

Não é exatamente uma novidade saber dos micro-organismos presentes nas esponjas. Já é possível encontrar muitas receitas caseiras na internet para eliminar a sujeira e reduzir os perigos encontrados. O interessante é que após pesquisadores sequenciarem o DNA microbiano de 14 esponjas de cozinha usadas, eles relataram que ferver as esponjas não matava os micróbios.

Segundo os relatórios científicos, surpreendentemente, as esponjas higienizadas concentravam uma porcentagem maior de bactérias relacionadas a agentes patogênicos do que as que nunca tinham sido limpas.

O caso pode ser explicado pelo fato de que as bactérias relacionadas com patógenos são mais resistentes à limpeza e rapidamente recolonizam as áreas abandonadas por seus irmãos suscetíveis – semelhante ao que acontece com nosso intestino após um tratamento antibiótico, dizem os cientistas. Quando os pesquisadores colocaram as esponjas sob o microscópio, descobriram que um único centímetro cúbico poderia ser embalado com mais de 5×1010 bactérias, o que corresponde a cerca de sete vezes o número de pessoas que habitam a Terra. Tais densidades bacterianas, dizem os cientistas, são encontradas apenas em fezes.

Ficou preocupado? A solução para uma esponja limpa é simples: basta substituí-la todas as semanas ou a cada duas semanas. Veja o estudo completo aqui.

Redação CicloVivo