O aquecimento global pode colocar em risco a produção de chocolates nos próximos anos. De acordo com especialistas, as regiões de cultivo de cacau são muito vulneráveis às mudanças climáticas e ao aumento de emissões de carbono, que podem causar danos irreversíveis ao plantio no fruto.

O estudo foi realizado pelo Centro Internacional de Agricultura Tropical, que levou em consideração o cultivo de cacau nos dois maiores produtores no planeta, Costa do Marfim e Gana. Durante a pesquisa, os especialistas lembraram que o fruto é mais sensível à variação de temperaturas que a maioria dos produtos agrícolas.

Sendo assim, o estudo aponta que, se a temperatura do mundo aumentar de dois a três graus Celsius nos próximos cinquenta anos, o aquecimento dos termômetros pode também subir o preço do chocolate, transformando o doce comum em artigo de luxo. Por outro lado, a fragilizada economia dos dois países africanos pode ser gravemente afetada, provocando, diretamente, a perda de mais de seis milhões de empregos em Gana e na Costa do Marfim.

Como alternativa ao cacau orgânico, a multinacional norte-americana Mars, que produz doces e rações no mundo inteiro, realizou um projeto de decodificação genética do fruto, em parceria com a IBM e o Departamento de Agricultura dos EUA, com o objetivo de fortalecer a indústria de chocolates frente ao aquecimento global. Porém, os próprios desenvolvedores do projeto admitem que ainda vai levar um tempo para que o chocolate geneticamente modificado seja aprovado, comercializado e consumido ao redor do mundo. Com informações da INFO.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.