O Valentine’s Day, comemorado anualmente, registra um forte aumento na compra de flores frescas, assim como o Dia das Mães. Dar flores é sinônimo de demonstração de amor, mas você parou para pensar no impacto ambiental deste presente? Abaixo, você entenderá as razões para se atentar a isto e descobrirá uma forma ainda mais bela de expressar o seu afeto.

Valentine’s Day

Comemorado em 14 de fevereiro, o Dia de São Valentim é oficialmente o dia dos namorados. O Brasil é um dos poucos países em que a data é comemorada em 12 de junho. Isso porque foi pensada pelo publicitário João Doria, pai do ex-prefeito de São Paulo, para aumentar as vendas do comércio em junho – mês em que normalmente o setor caía. Mas, também não foi escolhida à toa: é na véspera do Dia de Santo Antônio, conhecido como o “santo casamenteiro”.

Custo ambiental

Valentine's Day
Foto: Emily Fletke | Unsplash

A indústria global de produção de flores gera cerca de 64.5 bilhões de euros anualmente e embora o setor ofereça empregos para milhares de pessoas nos países em desenvolvimento também há um custo significativo para o meio ambiente causado pela floricultura. A maioria das flores compradas em floristas e supermercados é importada de outros países, o que significa grandes emissões de CO2 durante o transporte. Quem dá este alerta é a iniciativa de reflorestamento Tree-Nation:

Emissões

As emissões de carbono relacionadas com a produção de flores para corte pode chegar a três quilos por unidade. Além do carbono produzido durante o transporte e a refrigeração das flores até o momento da venda, também há um impacto ambiental significativo associado ao cultivo intensivo de flores frescas.

Cultivo em estufa

Em algumas áreas, são necessários grandes insumos de energia para cultivar as flores na escala exigida pela demanda. É o caso de países que possuem tempo nublado ao longo do ano e, portanto, cultivam principalmente flores em estufas, como Holanda e Reino Unido. As estruturas são frequentemente aquecidas por combustão de gás natural, que liberam grandes quantidades de CO2.

Isso significa que uma maior distância de transporte não quer dizer automaticamente um aumento das emissões. Um estudo da Universidade de Cranfield, usando análise do ciclo de vida, mostrou que as rosas vendidas no Reino Unido e cultivadas na Holanda emitem 6 vezes mais CO2 do que as rosas cultivadas no Quênia, por exemplo. Isso equivale a aproximadamente 3 kg de CO2 por flor. Apesar da distância mais curta, há uma emissão de carbono muito maior associado à fase de produção das flores cultivadas na Holanda devido ao cultivo intensivo em estufas.

Situação no Brasil

Mundialmente, os maiores produtores são a Holanda, Quênia, Etiópia, Colômbia e Israel. Já aqui no Brasil, o estado de São Paulo lidera a produção de flores, que é vendida quase que totalmente para o mercado interno. Desta forma, o impacto no transporte é minimizado. Mas ainda sim há o impacto na água e no solo. O cultivo de flores está associado ao uso intenso de agrotóxicos e há poucos exemplos de produções que fazem controle biológico.

flores de presente
Flor Petúnia. | Foto: iStock

Outro aspecto ainda mais óbvio é: por que não presentear com algo vivo, que pode ser cultivado durante um longo tempo? Buquês de flores têm pouquíssima vida útil, enquanto uma única árvore é capaz de limpar até 250 kg de CO2 durante sua vida. Se for o caso, dê flores no vaso que possam ser cuidadas em casa.

Por que não árvores ao invés de flores?

Ao invés de um buquê de flores embaladas em plástico, você pode presentear com mudas de ervas aromáticas, como hortelã e manjericão, que podem ser cultivadas em um pequeno espaço na cozinha. Ou se você tiver um quintal com espaço, quem sabe não seja legal chamar o/a companheiro para plantar uma árvore ou até participar de um mutirão de plantio de mudas na sua cidade.

Alternativas mais duradouras e amigáveis ao meio ambiente também incluem apoiar projetos de plantio. Confira abaixo duas opções:

Tree-Nation

O Tree-Nation é uma plataforma de reflorestamento que conecta cidadãos e empresas a projetos de plantações em todo o mundo. O preço por árvore é a partir de 0,50 Euros (cerca de R$ 2,30) e você pode escolher o local e a espécie de árvore que deseja plantar. Depois, basta acompanhar o crescimento e impacto positivo da sua árvore. Por meio desta iniciativa, já foram plantadas mais de 130 mil árvores desde 1º de janeiro de 2020.

Iniciativa Verde

Outra solução interessante e brasileira é zerar suas emissões de carbono, fazendo sua própria compensação ambiental. Para isso, basta calcular sua “pegada ecológica” no site da Iniciativa Verde e depois contribuir com a organização, que promove o reflorestamento da Mata Atlântica. Os plantios são realizados prioritariamente em áreas degradadas de mananciais e nascentes.