Técnicos do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e da Companhia de Águas e Esgotos (Cedae) localizaram uma ligação clandestina de esgoto de uma loja de departamentos, da Barra da Tijuca, em uma galeria de águas pluviais, que pode ter provocado a morte de 10 toneladas de tilápias na Lagoa de Tijuca, na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade.

A loja foi notificada pela Cedae e terá 30 dias para se interligar a rede coletora da companhia para formalizar a sua situação. O Inea vai aplicar multa à empresa, mas o valor ainda não foi definido.

De acordo com o biólogo Mário Moscatelli, que desenvolve o projeto Olho Verde, de monitoramento das lagoas de Jacarepaguá e da Barra da Tijuca, não existe apenas uma rede que despeja esgoto in natura nas galerias de águas pluviais na região do Saco Grande na Lagoa da Tijuca, entre o Barra Shopping e o condomínio Península na Barra da Tijuca.

"São mais de cinco redes de esgoto clandestinas que despejam esgoto sem tratamento na região do Saco Grande. Essa situação não é nova é recorrente e eu diria quase permanente. Somente no mês de julho eu recolhi três toneladas de peixes mortos no Saco Grande", disse.

Mosacatelli declarou ainda que a situação é tão grave nas lagoas da Barra da Tijuca e Jacarepaguá que somente as tilápias que são mais fortes resistem à baixa oxigenação da água. "As sardinhas e as savelhas por serem mais fracas sumiram há muito tempo daqui".

Douglas Corrêa – Agência Brasil

 

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.