Manguezais na Amazônia
Foto: San Marcelo
- Publicidade -

Recuperar áreas degradadas na maior faixa contínua de manguezais do mundo, com apoio técnico-científico e envolvimento das comunidades locais, é o objetivo do plantio de mudas iniciado em fevereiro na zona costeira do Pará, mobilizando academia, poder público e diversas parcerias para a importância da conservação. “Trata-se de um ecossistema muito importante como fonte de renda e serviços ambientais, e esse trabalho coroa a relação entre homem e natureza na região”, destaca o biólogo Danilo Gardunho, coordenador de reflorestamento do Projeto Mangues da Amazônia.

Após o cultivo em dois viveiros de 300 metros quadrados, instalados em comunidades tradicionais e irrigados naturalmente pelo fluxo das marés, a estratégia é neste período chuvoso plantar 30 mil mudas das três espécies dominantes na região: Rhizophora mangle (mangue-vermelho), Laguncularia racemosa (mangue-branco) e Avicennia germinans (mangue-preto), destinadas a recompor 12 hectares de áreas impactadas em três reservas extrativistas marinhas nos municípios paraenses de Bragança, Augusto Corrêa e Tracuateua.

manguezais Amazônia
Foto: San Marcelo

“Ao contrário da costa do Nordeste, onde ocorrem impactos severos da carcinicultura, nos manguezais amazônicos não há grandes áreas devastadas e a principal questão é a retirada de madeira pelas atividades comunitárias para construir casas, cercas e currais de pesca”, explica o biólogo.

- Publicidade -

Além da estrutura de viveiros, mantida com apoio dos moradores, o trabalho tem suporte do conhecimento tradicional de pescadores e coletores de caranguejo no mapeamento das áreas prioritárias para receber as mudas e na definição do método de plantio, juntamente às ações socioambientais do Mangues da Amazônia reflorestamento – iniciativa realizada pelo Instituto Peabiru e Associação Sarambuí, com patrocínio da Petrobras e apoio do Laboratório de Ecologia de Manguezal (LAMA), da Universidade Federal do Pará (UFPA).

manguezais Amazônia
Foto: San Marcelo

O plantio de mudas começou pela Reserva Extrativista Caeté-Taperaçu, em Bragança (PA), nos dias 26 e 27 de fevereiro, estendendo-se de 11 a 13 de março para Tracuateua e 25 a 27 para Augusto Corrêa. Com um diferencial: a dinâmica do reflorestamento é fio condutor de todo um trabalho de sensibilizar as comunidades para a conservação, especialmente por meio de atividades educativas com crianças e jovens das diferentes faixas etárias. “Isso gera uma sensação de pertencimento, porque quem planta também cuida e protege”, ressalta Gardunho.

manguezais Amazônia
Foto: San Marcelo

Como marco do plantio que se inicia, está previsto o lançamento de um guia inédito que ensina a planejar e plantar mudas nos manguezais da região, cuja demanda normalmente parte das comunidades locais. Com informações didáticas desde a manutenção dos viveiros até o monitoramento das áreas plantadas, o material inclui dois produtos: um manual simplificado de bolso para uso em campo na prática do reflorestamento, e uma cartilha com conteúdo mais detalhado dos procedimentos, de cunho mais técnico e destinado também ao público leigo, em geral.

A iniciativa tem o propósito de contribuir para transmitir e replicar o conhecimento e as lições aprendidas, dando continuidade e aumentando a escala de futuras ações de reflorestamento nos mangues na região pelas comunidades locais. O guia será disponibilizado em formato digital no site manguesdaamazonia.gov.br.

manguezais Amazônia
Foto: San Marcelo

O atual plantio de mudas tem base na prática e no conhecimento científico adquiridos nos últimos anos por pesquisadores que integram o Projeto Mangues da Amazônia e – além da recuperação ambiental – servirá de laboratório e fonte de novos dados para estudos sobre manejo e uso sustentável do caranguejo-uçá e da madeira de mangue. Além disso, o monitoramento das áreas em recuperação, principalmente quanto à biomassa e carbono, fornecerá subsídios para melhor entendimento e maior valorização desse ecossistema no contexto da mitigação da mudança climática global.

“No âmbito do projeto, as atividades de reflorestamento dos manguezais têm uma abordagem preventiva, mais do que propriamente a recuperação de áreas que já foram degradadas, repondo o que foi perdido”, ressalta o pesquisador Marcus Fernandes, coordenador do LAMA. Segundo ele, na costa amazônica os manguezais têm sofrido poucos danos nos últimos 30 anos, com impactos que representam menos de 1% das áreas de manguezal perdidas no País. “Nossas atividades de reflorestamento são usadas no contexto da educação ambiental para sensibilizar sobre os riscos da degradação”, completa o pesquisador.

manguezais Amazônia
Foto: San Marcelo

LEIA MAIS:

- Publicidade -