- Publicidade -

ONGs e sociedade civil da cidade de Maresias, no litoral paulista, se uniram para reflorestar a orla da praia. O projeto surgiu a partir da necessidade de frear as mudanças na faixa de areia da praia ocasionadas pela falta de vegetação.

O Plano Jundú Maresias, contou com o apoio dos moradores locais e das ONGs: Somar (Sociedade Amigos da Praia de Maresias), Associação de Surf de Maresias e GPN (Grupo de Proteção à Natureza. Juntos eles pretender recuperar toda a beleza e qualidade das praias da cidade.

Esta é a primeira vez que a região recebe uma ação desse tipo, cujo objetivo é o Reflorestamento Paisagístico da orla da praia de Maresias. O trabalho contará com a utilização da vegetação jundú, que é uma espécie nativa e promove o acúmulo de areia, aumentando a quantidade de dunas na região.

- Publicidade -

O problema desta área do litoral foi agravado pela ocupação a beira-mar que devastou a vegetação e deixou os terrenos sujeitos à ação dos mares e ondas, resultando na diminuição da faixa preamar – nível máximo de uma maré cheia. Por causa disso, até mesmo a formação das ondas pode ser alterada.

O jundú, como é popularmente conhecido, também pode ser chamado de Escrube. Eles são plantas que se adaptam ao solo arenoso e crescem espalhando-se pela areia na faixa mais afastada do mar.

O engenheiro agrônomo André Motta foi o responsável pela criação do Plano Jundú. Segundo ele, alguns locais, como o Canto do Moreira, já sofrem as consequências da falta de vegetação. Na praia de Pernambuco, no Guarujá, também é possível sentir diferença nas ondas, pelo mesmo motivo. Por isso, ações desse tipo necessitam ser aplicadas com urgência em várias regiões litorâneas.

O trabalho de reflorestamento da orla de Maresia conta com a colaboração da sociedade local e continua em expansão para que o benefício seja preservado e mantido por muito tempo. Além do plantio, os idealizadores tiveram um cuidado especial com a questão da conscientização e educação ambiental para que os benefícios obtidos com o projeto possam permanecer por muito tempo.

Redação CicloVivo

Siga as últimas notícias do CicloVivo no Twitter

- Publicidade -