Images of the Amazon Reef taken from a submarine launched from the MY Esperanza. The Greenpeace ship is currently in the region of the Amazon river mouth, Amapá State, for the “Defend the Amazon Reef” campaign. A team of experts are onboard, including the scientist from the Federal University of Rio de Janeiro, Fabiano Thompson and Kenneth Jozeph Lowick, from Greenpeace Belgium. Thompson led the group of scientists who discovered the coral reef at the mouth of the Amazon River. Imagens captadas do submarino dos Corais da Amazônia. Neste sábado, 28 de janeiro, o submarino foi lançado do navio Esperanza com o cientista da Universidade Federal do Rio de Janeiro Fabiano Thompson e Kenneth Jozeph Lowick, do Greenpeace da Bégica. Thompson liderou o grupo de cientistas que descobriu o recife de corais na foz do rio Amazonas. O lançamento do submarino envolveu grande parte da tripulação do navio. Esperanza, um dos três navios do Greenpeace, está na região da foz do rio Amazonas, no Amapá, para a campanha “Defenda os Corais da Amazônia. O objetivo é observar debaixo d’água, pela primeira vez, os recifes de corais.
- Publicidade -

Pesquisadores de diversas universidades brasileiras e a organização não governamental Greenpeace divulgaram na última segunda-feirta (30) as primeiras imagens do recife de corais da Amazônia. Uma embarcação saiu do Porto de Santana, no Amapá, em direção à foz do Rio Amazonas, onde está o recife de corais, esponjas e rodolitos de 9,5 mil quilômetros quadrados – uma área 20% maior que a região metropolitana de São Paulo.

Com o auxílio de um submarino, a ong Greenpeace e pesquisadores que anunciaram a descoberta dos corais, em abril do ano passado, fizeram uma expedição desde o dia 24 com o objetivo de observar, pela primeira vez, o recife e alertar sobre os perigos da exploração de petróleo na região.

O submarino foi lançado do navio Esperanza com o cientista da Universidade Federal da Paraíba Ronaldo Francini Filho (dir.) e o diretor da Campanha de Oceanos do Greenpeace EUA, John Hocevar (esq.). Foto: © Greenpeace

“O objetivo da campanha [Defenda os Corais da Amazônia] é defender os corais da Amazônia. Esses corais são um novo bioma, um bioma único no mundo, porque eles estão localizados em uma região, uma área onde não se pensava possível a existência de corais como esses. E esse novo bioma já nasce ameaçado”, disse Thiago Almeida da Campanha de Energia do Greenpeace.

- Publicidade -

Segundo Almeida, a perfuração e exploração de petróleo na região pode começar ainda este ano e “toda atividade petrolífera traz consigo o risco de um derramamento de petróleo”. Ele disse que, em caso de um vazamento, não só os corais estariam ameaçados, mas as comunidades tradicionais da região, incluindo pescadores, extrativistas, quilombolas e indígenas, que dependem da costa brasileira para sobreviver, seriam gravemente afetados.

O objetivo da expedição é observar debaixo d’água, pela primeira vez, os recifes de corais. | Foto: © Greenpeace

No sábado (28), o submarino foi lançado do navio Esperanza com o cientista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Fabiano Thompson, e Kenneth Jozeph Lowick, do Greenpeace da Bégica. O cientista da UFRJ liderou o grupo de cientistas que descobriu o recife de corais na foz do Rio Amazonas.

da Agência Brasil

- Publicidade -