- Publicidade -
plástico descartável
Foto: iStock

Por PNUMA

- Publicidade -

A Fundação Ellen MacArthur e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) publicaram na última quinta-feira (5) seu segundo relatório anual de Progresso da Nova Economia do Plástico, juntamente com dados detalhados sobre o progresso de empresas individuais e signatários do governo.

O Relatório de Progresso do Compromisso Global 2020 mostra que houve um progresso significativo em duas áreas-chave: a incorporação de conteúdo reciclado em embalagens plásticas, e a eliminação progressiva dos itens problemáticos mais comumente identificados, tais como embalagens de PS e PVC, pigmentos negros de carbono indetectáveis e sacos e palhinhas de plástico de uso único.

Entretanto, houve um progresso limitado no aumento da reciclabilidade das embalagens plásticas e na redução total da necessidade de embalagens de uso único: o progresso na mudança para embalagens reutilizáveis é limitado, e os esforços de eliminação continuam concentrados em um conjunto relativamente pequeno de materiais e formatos.

Há também diferenças significativas na taxa de progresso entre os signatários – enquanto alguns deram grandes passos em frente, outros mostraram pouco ou nenhum progresso em relação às metas quantitativas.

- Publicidade -

É encorajador ver o progresso inicial sendo feito pelos signatários no primeiro ano após a assinatura do Compromisso Global, mas uma aceleração substancial do progresso será necessária para atingir as metas de 2025.

“Este relatório mostra que os principais governos estão tomando medidas, em particular na abordagem de alguns dos itens problemáticos mais comumente identificados, mas cada vez mais também através da implantação de abordagens políticas mais abrangentes, por exemplo combinando a responsabilidade estendida      do produtor, incentivos fiscais e políticas de compras públicas. Apelamos a todos os governos para que sigam sua liderança e se unam em nível global, através da Assembléia de Meio Ambiente da ONU, para trabalhar em uma estrutura internacional de ação, construindo sobre a visão de uma economia circular para o plástico”, disse Ligia Noronha, Diretora da Divisão de Economia do PNUMA.

Principais conclusões:

- Publicidade -
  • O conteúdo reciclado em embalagens plásticas cresceu 22% ano após ano, para 6,2% em média para produtos embalados e signatários do varejo.
  • 31% dos produtos embalados e dos signatários do varejo – 18 no total – agora têm metas para reduzir o plástico virgem nas embalagens ou reduzir totalmente as embalagens plásticas
  • Os esforços de eliminação continuam concentrados em um conjunto relativamente pequeno de materiais e formatos, e estão sendo entregues principalmente através da substituição por outros plásticos ou papel, ou por embalagens leves (muitas vezes reduzindo a espessura, por exemplo), em vez de reduzir totalmente a necessidade de embalagens de uso único
  • As embalagens reutilizáveis aumentaram ligeiramente em relação ao ano anterior (em 0,1 pontos percentuais) e permanecem baixas em 1,9% para produtos embalados e signatários do varejo, enquanto vemos um aumento adicional em atividades piloto de reutilização.
  • Foram relatados investimentos substanciais para alcançar as metas de 2025, elevando o montante total comprometido publicamente pelos signatários do Compromisso Global para mais de 10 bilhões de dólares.
  • Vemos diferenças substanciais no progresso entre os signatários – enquanto alguns deram grandes passos em frente, outros mostraram pouco ou nenhum progresso em relação às metas quantitativas.

Sander Defruyt, novo líder da economia de plásticos na Fundação Ellen MacArthur, disse: “Este relatório mostra um progresso encorajador para a visão de uma economia circular para o plástico em algumas áreas, particularmente no uso de plástico reciclado. Mas, indo adiante, será crucial ver também grandes passos em frente para repensar quais embalagens são colocadas no mercado em primeiro lugar. Estamos pedindo à indústria que aumente rapidamente os esforços para reduzir as embalagens de uso único e eliminar os tipos de embalagens que não têm um caminho confiável para fazer com que a reciclagem funcione na prática e em escala. Sabemos que a indústria não pode realizar a mudança sozinha, e estamos pedindo aos formuladores de políticas que criem as condições favoráveis, os incentivos e a estrutura internacional para acelerar esta transição”.

A Fundação Ellen MacArthur e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente fizeram quatro chamadas de ação que são vitais para erradicar a poluição plástica:

Às empresas para:

  • Tomar medidas ousadas em tipos de embalagens que hoje não são recicláveis – ou desenvolvendo e executando um roteiro confiável para fazer a reciclagem funcionar, ou inovando decisivamente longe deles
  • Estabelecer metas ambiciosas de redução reconhecendo que a ação voluntária da indústria sozinha não pode produzir mudanças na escala e no ritmo necessários

Aos governos para:

  • Estabelecer políticas e mecanismos, que forneçam financiamento dedicado e estável para a coleta e triagem, através de contribuições justas da indústria, como o REP (Responsabilidade Estendida do Produtor), sem o qual é provável que a reciclagem nunca seja escalonada
  • Definir uma direção global e criar uma estrutura internacional de ação, através da Assembléia de Meio Ambiente da ONU, com base na visão de uma economia circular para o plástico