Até o próximo sábado, 21 de agosto, o ser humano gastará todos os recursos naturais que a Terra fornece para o período de um ano. O cálculo foi divulgado nesta segunda-feira (16) pela ONG Global Footprint Network (GFN).

A entidade calcula, anualmente, o dia em que o consumo humano ultrapassa os recursos naturais que o planeta pode fornecer naquele ano. A organização trabalha para promover o conceito de sustentabilidade, através de cálculos da “Pegada Ecológica”, um termo utilizado para medir a quantidade de recursos naturais que nós utilizamos.

O cálculo, feito pela ONG, é baseado em uma equação que compara o que a natureza fornece de recursos, com o que o homem consome e polui. 

Para este ano, a ONG prevê que o “Dia do Excesso” (“Earth Overshoot Day”, nome original em inglês) será atingido no próximo sábado. Segundo a entidade, tudo o que consumirmos nos próximos quatro meses estará além do nosso orçamento ecológico.

No ano passado, o Dia do Excesso foi alcançado em 25 de setembro. Porém, segundo a ONG, isso não significa que o consumo tenha aumentado em 2010. "Este ano analisamos todos os nossos dados e percebemos que, até agora, tínhamos sobreavaliado a produtividade das florestas e das pastagens: em outras palavras, exageramos a capacidade que a Terra tem para regenerar e absorver o nosso excesso", afirmou o presidente da GFN, Mathis Wackernagel.

Em 1980, a nossa “pegada ecológica”, foi equivalente ao tamanho da Terra. Hoje, essa pegada é 50% maior. "Se você gasta seu orçamento anual em nove meses, provavelmente você deve ficar muito preocupado: a situação não é menos grave quando se trata de nosso orçamento ecológico", explica Wackernagel.

Para o presidente da ONG, a única maneira de inverter essa tendência é diminuindo o nosso consumo. Tal conceito tem sido cada vez mais defendido por demógrafos e ambientalistas.

Com informações do Jornal de Notícias, Portugal

+ Akatu lança relatório “Estado do Mundo – 2010”

+ Pnuma: Demanda por água na América Latina e Caribe cresceu 76% em 15 anos

Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.