Conhecida como abelha azul, a espécie Osmia calaminthae é endêmica da Flórida, Estados Unidos. Muito rara, é considerada “criticamente em perigo” pela organização de conservação, sem fins lucrativos, NatureServe. Foi uma grande surpresa quando pesquisadores do Museu de História Natural da Flórida encontraram a abelhinha. 

Nesta quarta-feira (20) em que é celebrado o Dia Mundial das Abelhas conheça esta espécie incrível. O texto abaixo é do Museu da Flórida e relata como foi o processo de redescoberta desta abelha. 

Descrito pela primeira vez em 2011, os cientistas não tinham certeza de que a abelha ainda existia. As espécies haviam sido registradas apenas em quatro locais, totalizando somente 26 quilômetros quadrados de habitat no Lago Wales Ridge, na Flórida Central. “Eu estava aberto à possibilidade de não encontrarmos a abelha, de modo que o primeiro momento em que a vimos no campo foi realmente emocionante”, contou Chase Kimmel, pesquisador de pós-doutorado.

abelha rara
Foto: Chase Kimmel | Museu de História Natural da Flórida

Kimmel e seu consultor, Jaret Daniels, diretor do Centro McGuire para Lepidópteros e Biodiversidade do Museu, estão trabalhando em um projeto de pesquisa de dois anos para determinar o status atual da população e a distribuição da Osmia calaminthae, além de hábitos de nidificação e alimentação. O Plano de Ação Estadual para Vida Selvagem da Flórida lista a abelha como uma espécie de maior necessidade de conservação, e esse projeto pode ajudar a determinar se está qualificado para proteção sob a Lei de Espécies Ameaçadas. Um Subsídio Estadual de Vida Selvagem do Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA está financiando o projeto.

Descobertas

Após extensas pesquisas em terras estatais protegidas, a abelha foi encontrada em sete novas áreas. Como polinizadora, depende de outra espécie ameaçada, uma planta florescente conhecida como Ashe’s calamint (nativa da Flórida e da Geórgia). “Esta é uma abelha altamente especializada e localizada”, afirma Daniels.

As espécies raras do Lago Wales Ridge são resultado da história geológica da Flórida. Quando grande parte do estado estava submerso esta área formava dunas de maior altitude ao longo da cordilheira central da Flórida e se comportavam quase como ilhas, produzindo habitats isolados. Esses ambientes únicos levaram a bolsões de plantas e animais especializados, como a abelha azul, explica Daniels. 

Hoje, a cordilheira é caracterizada por manchas de matagal de pinheiros espalhadas entre os laranjais ao longo da Rota 27 dos EUA.

Percalços e objetivos

Kimmel vive na Estação Biológica de Archbold, perto de Lake Placid, desde março, vendo em primeira mão os desafios para a sobrevivência da abelha.

“Uma coisa é ler sobre perda e desenvolvimento de habitat e outra é dirigir por 30-40 minutos, em quilômetros de laranjais, apenas para chegar a um local de conservação realmente pequeno”, disse Kimmel. “Isso coloca em perspectiva o quanto a perda de habitat afeta todos os animais que vivem nesta área”.

O objetivo inicial de Kimmel era encontrar a abelha, que foi observada pela última vez em 2016. Ele a registrou em três de seus locais previamente conhecidos e em seis locais adicionais a até 80 quilômetros de distância – boas notícias para a espécie. O objetivo ao longo do próximo ano é registrar a abelha no maior número possível de locais para determinar seu alcance e aumentar a compreensão de sua biologia.

“Estamos tentando preencher muitas lacunas que não eram conhecidas anteriormente”, disse Kimmel. “Isso mostra quão pouco sabemos sobre a comunidade de insetos e como há muitas descobertas legais que ainda podem ocorrer”.

Ao visitar as flores, a abelha azul balança a cabeça para frente e para trás para pegar o máximo de pólen possível com seus pêlos faciais incomuns. Daniels e Kimmel também querem determinar se a espécie se alimenta de outras flores além da Ashe’s calamint, estudando o pólen coletado das abelhas e usando pesquisas visuais. Até agora, eles registraram uma instância da abelha usando outro hospedeiro floral.

Características

A Osmia calaminthae é uma abelha solitária, criando ninhos individuais em vez de colmeias. Embora nenhum ninho tenha sido encontrado, a espécie faz parte do gênero Osmia, que tende a usar tocas existentes no solo, caules ocos ou buracos em árvores mortas.

Para testar se essa abelha faz o mesmo, a equipe de pesquisa criou e implantou “condomínios” de abelhas, sendo 42 caixas de ninhos, em locais onde a abelha ou a calamita de Ashe foram encontradas. Cada caixa contém palhetas e blocos de pinheiros de areia com furos em diâmetros e profundidades variados para revelar as preferências de ninho das abelhas. Os pesquisadores verificarão periodicamente as caixas durante o próximo ano.

Os pesquisadores contaram ainda sobre as dificuldades desde o início da pandemia, que reduziu o número de pessoas em campo. “Todo esse trabalho é uma colaboração. É preciso um exército para que isso aconteça, disse Daniels. Por enquanto, Kimmel está se adaptando ao trabalho solitário assim como vive a própria abelha.