Um estudo detalhado sobre os ventos nas regiões costeiras do mundo foi publicado nesta semana pela International Energy Agency (IEA) e revelou que os parques eólicos em alto mar, chamados de offshore, têm potencial para fornecer mais eletricidade do que o mundo precisa.

A análise aponta que, se parques eólicos fossem construídos em todos os locais com condições ideais, a menos de 60 km da costa e onde as águas costeiras não fossem mais profundas que 60 metros, poderiam gerar 36.000 terawatts-hora de eletricidade renovável por ano. Isso atenderia facilmente à atual demanda global de eletricidade de 23.000 terawatt-hora.

O Offshore Wind Outlook 2019 é o estudo global sobre o setor mais abrangente até o momento, combinando as mais recentes tecnologias e desenvolvimentos do mercado com uma nova análise geoespacial que mapeia a velocidade e a qualidade do vento ao longo de centenas de milhares de quilômetros de costa em todo o mundo.

A IEA considera que a capacidade global de energia eólica offshore pode aumentar 15 vezes e atrair cerca de US $ 1 trilhão em investimentos acumulados até 2040. Ele seria impulsionado pela queda de custos, políticas governamentais de apoio e novas tecnologias, como turbinas maiores e fundações flutuantes. O relatório também conclui que a tecnologia eólica offshore tem o potencial de crescer muito mais fortemente com o apoio intensificado dos formuladores de políticas.

Expansão eólica offshore

A Europa foi pioneira na tecnologia eólica offshore e a região está posicionada para ser a potência de seu desenvolvimento futuro. Hoje, a capacidade eólica offshore na União Europeia é de quase 20 gigawatts. Sob as atuais configurações políticas, isso deve aumentar para quase 130 gigawatts até 2040. No entanto, se a União Europeia atingir seus objetivos de neutralidade de carbono, a capacidade eólica offshore saltará para cerca de 180 gigawatts em 2040 e se tornará a maior fonte única de eletricidade da região .

A China também deve desempenhar um papel importante no crescimento a longo prazo da energia eólica offshore, impulsionada pelos esforços para reduzir a poluição do ar. A tecnologia é particularmente atraente na China porque os parques eólicos offshore podem ser construídos perto dos principais centros populacionais espalhados pelo leste e sul do país. Por volta de 2025, é provável que a China tenha a maior frota eólica offshore de qualquer país, ultrapassando o Reino Unido. A capacidade eólica offshore da China deve subir de 4 gigawatts hoje para 110 gigawatts até 2040. Políticas projetadas para atender às metas globais de energia sustentável podem elevar ainda mais esse valor para mais de 170 gigawatts.

Novas tecnologias flutuantes

A enorme promessa de energia eólica offshore é ressaltada pelo desenvolvimento de turbinas flutuantes que podem ser implantadas no mar. Em teoria, eles poderiam permitir que a energia eólica offshore atendesse toda a demanda de eletricidade de vários mercados importantes de eletricidade várias vezes, incluindo Europa, Estados Unidos e Japão.

“A energia eólica offshore atualmente fornece apenas 0,3% da geração global de energia, mas seu potencial é vasto”, afirmou Dr. Fatih Birol, diretor executivo da IEA. “Cada vez mais esse potencial está ao nosso alcance, mas ainda há muito trabalho a ser feito pelos governos e pela indústria para que ele se torne um dos pilares das transições de energia limpa.”

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.