A energia eólica tem sido uma das armas usadas pelo governo do Uruguai para garantir o abastecimento de energia em períodos de baixa produção hidrelétrica. Em entrevista à imprensa local, César Briozzo, vice-presidente da estatal UTE, explicou que esta é a grande diferença para o período atual de estiagem, em relação aos outros anos.

“Este ano, ao contrário do ano passado, nós tivermos por várias horas e regularmente a geração de energia eólica equivalente à produção de uma planta hidrelétrica como Punta del Tigre”, informou Briozzo.

O representante ainda salientou o importante retorno econômico decorrente do investimento em energia renovável. Para ele, as fazendas eólicas têm sido decisivas para garantir a economia da empresa e evitar ajustes nas taxas destinadas aos consumidores.

Os benefícios da energia eólica têm sido tão positivos que o Uruguai já anunciou outros parques eólicos. O maior deles é o projeto “Pampa”, que será composto por 82 aerogeradores de 2,1 MW cada, a capacidade instalada do complexo será de 140 MW.

O investimento no Pampas deve se refletir também em outros três empreendimentos uruguaios, cada um deles com capacidade instalada de 70 MW. 

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.