Anualmente organizações sem fins lucrativos que integram o Instituto para Economia e Paz coletam dados do mundo inteiro, para chegar a um ranking que qualifica os países mais e menos pacíficos do mundo. Divulgado nesta semana, o documento mostra que, desde 2008, quando a primeira edição foi feita, o mundo piorou 2,44% quando o assunto é paz.

O relatório considera 23 indicadores quantitativos e qualitativos em 163 países. Não são apenas os números de mortes que contam na hora de ranquear as ações, mas também são incluídas as decisões políticas e diplomáticas, liberdade de informação, democracia, entre outras coisas.

Os primeiros dez países na lista também estão entre os que costumam apresentar os melhores índices de desenvolvimento humano. Apesar de a maior parte deles estar no continente Europeu, algumas outras nações conseguiram seu espaço no topo do ranking. Veja abaixo a classificação dos dez primeiros:

  1. Islândia
  2. Dinamarca
  3. Áustria
  4. Nova Zelândia
  5. Portugal
  6. República Tcheca
  7. Suíça
  8. Canadá
  9. Japão
  10. Eslovênia

Na outra ponta estão cinco países com guerras ou grandes conflitos em curso: Síria, Sudão do Sul, Iraque, Afeganistão e Somália. Essas nações tiveram os piores índices e apresentaram declínio nos últimos anos quando o assunto é a busca pela paz.

Mas, não são apenas as guerras que colocam os países nessa situação. O relatório aponta o Brasil como um dos locais com maior declínio em relação ao índice de 2015. Entre as áreas fora de conflito, Brasil e México são os dois locais com mais mortes, em consequência do crime organizado. Os escândalos de corrupção também nos colocaram entre os piores na questão instabilidade política. No ranking total, o Brasil ficou com a 105a posição, muito atrás de países como: Singapura (20o), Chile (27o), Zâmbia (40o), Namíbia (55o), Jordânia (96o) e o Camboja (104o).

Clique aqui para acessar o relatório completo.

Redação CicloVivo