A prefeitura de São Paulo lançou um programa de compostagem doméstica na última segunda-feira (16). Os interessados em reaproveitar seus resíduos orgânicos deverão se inscrever, até dia 27 de julho, para receber o kit com os materiais necessários.

Também chamado de minhocário, a composteira é formada por caixas plásticas onde minhocas transformam restos de alimentos em adubo. Podem ser colocados nesse sistema, por exemplo, frutas, legumes, verduras, grãos e sementes, cascas de ovos, borra e filtro de café, sachê de chá (sem etiqueta) e erva de chimarrão.

Na fase inicial do projeto, duas mil famílias serão selecionadas. A ideia é que, por meio da implantação desse sistema nos lares paulistanos, seja reduzida a quantidade de resíduos enviados aos aterros da cidade, uma vez que eles podem causar problemas ambientais, como a formação de chorume tóxico, que pode infiltrar-se no solo e contaminar a água subterrânea.

Não é necessário ter muito espaço em casa para realizar o processo de compostagem, entretanto é preciso ter um local abrigado do sol e da chuva. Pode ser também um local fechado, desde que haja ventilação.

O equipamento enviado pela prefeitura inclui duas caixas digestoras, onde ocorre a compostagem dos resíduos orgânicos, uma caixa coletora, que armazena o líquido resultante do processo, uma tampa, uma torneira, cerca de 300 minhocas californianas vermelhas, substrato para as caixas digestoras: húmus de minhoca + composto + serragem, pacote de serragem, adesivos, manual impresso, um ancinho de jardinagem e suporte técnico para tirar dúvidas.

O projeto é financiado pelas empresas Loga e Ecourbis, concessionárias da coleta de lixo, e idealizado pela empresa Morada da Floresta, que, entre outros produtos, comercializa as composteiras domésticas. De forma que, mesmo as pessoas que não forem escolhidas, podem comprar seu material e receber todas as recomendações necessárias para compostar por conta própria.


A primeira participante é Lurdes Luna, 79 anos, que recebeu das mãos do prefeito Haddad uma composteira doméstica do projeto. Crédito: Fábio Arantes/SECOM

Veja aqui como se cadastrar para receber a composteira doméstica. 

No vídeo abaixo, o Portal Namu, um dos parceiros da iniciativa, explicar como fazer a compostagem:

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.