emissões Gol
- Publicidade -

A companhia aérea Gol é a primeira da América Latina a oferecer aos clientes a possibilidade de realizarem a compensação de carbono de suas viagens. Para isso, firmou parceria estratégica com a MOSS, plataforma ambiental de crédito de carbono.

A neutralização de emissões de CO2 será realizada por meio do MCO2 – primeiro token verde lastreado em blockchain criado pela MOSS – a partir do apoio a projetos ambientais certificados com atuação na Amazônia.

- Publicidade -

Para se ter uma ideia sobre números das emissões individuais, no caso de uma viagem no trecho Congonhas (São Paulo) – Santos Dumont (Rio de Janeiro), por exemplo, a emissão relacionada à viagem de um passageiro é, em média, de 34 kg de carbono, o que custaria aproximadamente R$ 10 para compensar.

Como funciona

Quem escolher voar com a Gol, após realizar a compra da passagem, receberá um e-mail de pós-venda da companhia aérea com o cálculo da emissão de carbono do trecho e todas as orientações que permitem a compensação. O cliente que aderir será direcionado ao site da MOSS e fará a compra do MCO2. Segundo a empresa, a tecnologia blockchain garante transparência e segurança às transações.

Ao final da transação, será gerada uma certificação digital com todos os detalhes de como e onde suas emissões estão sendo compensadas. O serviço é válido para voos nacionais e internacionais operados pela companhia, tanto comprados nos canais digitais quanto por meio das agências de viagem credenciadas e compras com milhas Smiles.

Além do projeto de conservação da Floresta Amazônica, em breve a compensação poderá ser destinada ao projeto de reflorestamento que visa a produção de biocombustíveis.

“Desde que criamos a MOSS, há um ano, já destinamos mais de US$ 13 milhões para projetos de conservação da Floresta Amazônica. Nossa parceria com a Gol nos ajudará a alcançar cada vez mais pessoas e ampliar nossa atuação junto aos projetos de preservação do meio ambiente”, diz Luis Felipe Adaime, fundador e CEO da MOSS.

Responsabilidade compartilhada

A Gol ressalta que segue investindo em medidas que colaboram para a solução definitiva da questão das emissões de gases de efeito estufa (GEE), como, por exemplo, o desenvolvimento de biocombustíveis, além da busca de ganhos de eficiência em suas operações, melhores práticas de planejamento e execução de voos e renovação de frota constante por aeronaves mais eficientes.

“A Gol permanece investindo, ano após ano, em renovação de frota e melhorias constantes de eficiência operacional, tanto em voo quanto em solo, e vislumbra, ainda, os combustíveis sustentáveis de aviação (bioquerosene) como uma solução factível no Brasil, capaz de, definitivamente, reduzir as suas emissões”, afirma Pedro Scorza, comandante e assessor de projetos ambientais da Gol.

Em abril deste ano, a empresa se comprometeu a atingir emissões líquidas zero de carbono em 2050. Foi a primeira companhia aérea da América Latina a assumir o compromisso.

- Publicidade -