Com informações da FAO

Dois sistemas agrícolas tradicionais da Tunísia acabam de ser reconhecidos como Sistemas de Patrimônio Agrícola de Importância Global (GIAHS). São eles os jardins suspensos de Djebba El Olia e o cultivo de Ramli em Ghar El Melh.

O título do GIAHS é uma designação gerenciada pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

Ambos locais refletem laços profundos entre as culturas cultivadas e o ecossistema natural, fauna e flora locais, além de promover a preservação do conhecimento tradicional e a conservação da biodiversidade. Espera-se que reconhecimento incentive as comunidades locais a valorizar e conservar melhor sua herança para as gerações futuras.

Jardins suspensos de Djebba El Olia

No alto do Monte el Gorrâa, os jardins de Djebba el Olia formam um sistema agroflorestal exclusivo. A uma altitude de 600 metros, os agricultores conseguiram moldar esta paisagem montanhosa a seu favor, integrando a agricultura em terraços derivados de formações geológicas naturais ou construindo-as em pedra seca.

Com um sistema de irrigação eficiente, os jardins suspensos são exemplos de agrosilvicultura e agroecologia que atendem às necessidades alimentares das comunidades locais ao longo do ano. Graças à preservação das florestas em alta altitude e à multiplicidade de espécies no estrato das árvores dos jardins, Djebba El Olia se beneficia de um microclima específico.

O cultivo de figueiras é a base de um sistema policultural variado e resiliente. Além dos figos, um grande número de vegetais, leguminosas e espécies de frutas são produzidos nos jardins, incluindo plantas solanáceas (tomate, pimenta), além de abóbora, fava, cebola, feijão e batata. A criação de gado também é parte da produção local.

Esses jardins se beneficiam das florestas próximas e da fauna e flora selvagens, garantindo que os polinizadores também integrem ​​a biodiversidade. A arte de gerenciar espécies cultivadas e selvagens é a base do conhecimento engenhoso do local. A qualidade dos produtos é muito apreciada – os figos, frutas frescas e secas e produtos processados ​​(geleias) da Djebba são altamente procurados localmente e no exterior, representando uma importante fonte de renda.

Mais sobre os jardins Djebba El Olia aqui (em inglês).

Práticas de cultivo de Ramli em Ghar El Melh

irrigação passiva
Foto: Abdelhakim Aissaoui | FAO

Ramli, que etimologicamente significa “na areia”, são práticas agrícolas que consistem no cultivo de substratos arenosos. Único não apenas na Tunísia, mas em todo o mundo, esses jardins foram criados no século XVII pela diáspora andaluza para lidar com a falta de terras cultiváveis ​​e água doce.

As práticas engenhosas são baseadas em um sistema de irrigação passivo, onde as raízes das plantas são alimentadas ao longo de cada estação pela água da chuva armazenada e que flutua na superfície do mar por meio do movimento das marés.

O conhecimento tradicional preservado ao longo dos séculos permite que os agricultores mantenham as lagoa através do suprimento preciso de areia e matéria orgânica, para que as culturas atinjam a altura certa, permitindo que as raízes sejam irrigadas pela água doce e não sejam afetadas pelo sal da água.

Coberturas de árvores frutíferas e arbustos na barreira da lagoa protegem os cultivos do vento e do mar, ajudam a retardar a evaporação e a fixar a areia. Esse sistema multifacetado permite cultivar o ano todo sem suprimentos artificiais de água, mesmo durante períodos de seca.

Hoje, pesca e agricultura são as principais atividades de subsistência da região. As fazendas de Ghar El Melh são pequenas (81% têm menos de 5 hectares) e sua produção primária inclui batatas, feijão e cebola “com ramli”.

Mais sobre o sistema Ramli aqui (em inglês).