O uso da calda sulfocálcica surgiu em meados do século XIX e tem como base a reação entre o óxido de cálcio, popularmente conhecido como cal virgem e o enxofre, criando uma calda nutritiva e com propriedades inseticidas. Esta é uma alternativa orgânica para quem busca a produção livre de veneno. Quem dá todas as dicas desse produto é o especialista em agricultura orgânica Thiago Tadeu Campos.

Necessidades e usos

A produção orgânica, quando realizada de forma detalhada e dando atenção aos tratos culturais, pode oferecer produtividade à altura da agricultura convencional, realizada com agrotóxicos. Atualmente, é possível encontrar diversos compostos orgânicos de fácil acesso que cumprem o mesmo papel que os fertilizantes e inseticidas quimicamente manipulados, tendo como principal vantagem a preservação da organicidade do alimento e a preservação dos nutrientes.

Entre os biofertilizantes disponíveis para o produtor orgânico, podemos citar a calda sulfocálcica: composto de fácil produção que combate diversos tipos de doenças que podem atingir a horta orgânica.

Como usar a calda sulfocálcica?

A calda sulfocálcica pode ser utilizada na maioria dos cultivos (salvo cucurbitáceas) e é vantajosa tanto pelo baixo custo de produção quanto pela acessibilidade de seus ingredientes. Os produtores orgânicos podem aproveitar os nutrientes da calda para tratar deficiências do solo. Além disso, ajuda a proteger o cultivo de tripes, cochonilhas, ferrugem, fungos, líquens, musgos e até insetos e vírus.

Foto: iStock by GettyImages

Embora não possa ser usada na época de florescimento das plantas e em mudas, esta calda é recomendada no processo pós-poda, acelerando o processo de cicatrização dos troncos. Ao pulverizar a calda sulfocálcica nas plantas, é importante que a planta seja atingida como um todo, desde a raiz até as suas folhas, protegendo ao máximo sua estrutura.

Como fazer a calda sulfocálcica

Para produzir a calda sulfocálcica é necessário compreender que seu uso não deve ser associado com a calda bordalesa e que, caso seja necessário utilizar ambas as composições, recomenda-se um intervalo entre 30 e 40 dias entre as aplicações no cultivo.

Outro fator importante sobre a calda sulfocálcica é a sua densidade, pois é através dela que cada cultivo irá aproveitar os benefícios do biofertilizante. Consulte sempre a densidade ideal para seu cultivo e dilua na quantidade de litros recomendada antes de borrifar. Caso contrário, as plantas podem acabar queimadas ou o efeito pode não ser tão satisfatório.

Ingredientes e materiais

– 2kg Enxofre em Pó

– 1kg Cal Virgem

– 10 litros de água

– 1 Areômetro de Baumé (°Bé)

– 2 Latas com capacidade de 20 litros

– 1 Caneca 500ml

– 1 pá de madeira

– Peneira fina

– Coador de Pano (organza ou voal)

– 1 bacia de plástico

Modo de preparo

– Coloque em uma das latas a cal virgem e aos poucos adicione os 10 litros de água levemente aquecida. Leve para ferver;

– Ao adquirir fervura, adicione o enxofre e marque o nível do líquido na lata. Mexa por cerca de 1hr e adicione mais água fervente conforme for evaporando para manter o líquido no nível assinalado;

– Após 1hr de fervura a calda estará grossa e com uma tonalidade avermelhada. Espere esfriar e meça com o areômetro a densidade do líquido. O ideal é que esteja entre 28°Bé e 32°Bé;

– Antes de guardar a calda, filtre-a com a peneira e com o coador, para eliminar resquícios sólidos e não prejudicar o equipamento de pulverização;

– Armazene em recipientes fechados e vedados por até 60 dias e em locais escuros e livres de umidade.

Atenção!

Todo o processo de produção e aplicação da calda sulfocálcica deve ser realizado com a ajuda de materiais de segurança e proteção, como luvas, óculos protetores e macacão. Por se tratar de um composto de alta alcalinidade e alta corrosividade, é preciso que seja manuseado com cuidado e depositado apenas em locais adequados. Após utilizar o pulverizador, é importante que o mesmo seja bem higienizado para que não fiquem resquícios da calda sulfocálcica em seu interior.

Antes de aplicar nas plantas, observe a tabela de diluição e calcule a relação entre temperatura da calda, concentração e quantidade de litros necessários para diluir. As maçãs e frutíferas de inverno, por exemplo, obtém maiores resultados com a calda com densidade de 3,5°Bé e 4°Bé, já as plantas em estado vegetativo devem ser tratadas apenas com densidades mais baixas, como 0,5°Bé e 1°Bé.

Dicas bônus

Foto: iStock by GettyImages

Aproveite horários mais frescos do dia para pulverizar a plantação orgânica, dessa forma o líquido não irá evaporar com tanta facilidade e a absorção será mais eficiente. A calda sulfocálcica substitui o uso de fertilizantes nitrogenados e demais agrotóxicos.

Os efeitos da calda sulfocálcica possuem maior resultado quando utilizados de forma preventiva, principalmente quando relacionado às “pragas”. No entanto, é possível utilizar a calda sulfocálcica para reduzir o impacto de algumas doenças e assim evitar o uso de compostos químicos prejudiciais ao cultivo. Para hortas orgânicas menores, como as hortas feitas em casa, é possível realizar o processo de produção apenas reduzindo as proporções. O resultado envolve plantas mais saudáveis, mais nutritivas e livres de doenças.