ruibarbo
Tradição do cultivo de ruibarbo no escuro tem explicação. Foto: SWNS

Com o gosto forte, que se parece um pouco com o aipo e com frutas cítricas, o ruibarbo é uma planta comestível pouco conhecida no Brasil. Usada muitas vezes para fins medicinais, graças ao seu efeito laxante, é indicado como estimulante e digestivo.

Muito mais conhecido na Europa, onde o caule é usado na preparação de chás, geleias e uma série de receitas, esta planta traz ainda outras curiosidades. Uma delas é uma tradição secular da colheita do ruibarbo à luz de velas.

O tio-avô de Jonathan Westwood começou esta tradição por volta de 1870, no norte da Inglaterra. E, até os dias de hoje, o próprio Jonathan mantém o costume vivo. Com 59 anos, o fazendeiro é o mais recente membro da família a cultivar ruibarbo em uma área de 14 quilômetros quadrados chamada de ‘Triângulo de Ruibarbo’ de Yorkshire.

Jonathan assumiu as rédeas do negócio de seu pai há 15 anos e cuidadosamente colhe os vegetais à mão, à luz de velas, após um processo de cultivo único. Foto: SWNS

Ele assumiu as rédeas do negócio de seu pai há 15 anos e cuidadosamente colhe os vegetais à mão, à luz de velas, após um processo de cultivo único.

O ruibarbo é deixado no campo por dois anos sem ser colhido – com todos os açúcares mantidos na raiz. O fazendeiro então move a colheita para galpões totalmente escuros. 

E a tradição tem uma explicação: nessas condições, toda a energia da planta é direcionada para o caule – criando um sabor muito mais doce do que o normal. As folhas do ruibarbo não podem ser consumidas, pois podem causar intoxicação, então quanto mais sabor tiver o caule, melhor a qualidade da colheita.

A colheita à luz de velas acontece para garantir que as plantas não façam fotossíntese e acontece com as portas fechadas.  Foto: SWNS

Este é um método que poucas fazendas ainda usam, mas que é muito valorizado pelos apreciadores de ruibarbo. Cerca de 300 toneladas da planta são enviadas aos supermercados de luxo da Inglaterra todos a cada colheita. Até mesmo o Palácio de Buckingham faz suas encomendas.

A cultivo e a colheita à luz de velas garantem um sabor único aos caules do ruibarbo. Foto: SWNS

Acredita-se que os galpões dentro do Triângulo do Ruibarbo, na região de West Yorkshire, são responsáveis pela produção mundial de 90% do ruibarbo forçado pelo inverno, nome que se dá a este tipo de cultivo.

O que é produzido nessas fazendas hoje é protegido pela Denominação de Origem Protegida (DOP) da Comissão Europeia, assim como outras iguarias regionais, como o champanhe francês e o presunto italiano de Parma.