Que o uso da bicicleta no espaço urbano cresceu ninguém tem dúvidas. Já muito usada como meio de transporte em municípios menores, o veículo tem sido cada vez mais usado nas metrópoles e com isso tem aumentado a oferta de produtos para este público.

Em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, as autoridades tiveram que investir mais em ciclofaixas, ciclovias e áreas de lazer. Esse crescimento pode ser percebido ao longo desse ano. O documentário Pé no Pedal, produzido por um grupo de estudantes de jornalismo, por exemplo, mostra como a vida de uma pessoa pode mudar quando se opta por utilizar a bicicleta como meio de transporte.

O ano de 2012 também marcou o número recorde de participantes no passeio cicloturístico pela Rota Márcia Prado, evento que acontece anualmente desde 2009. Na primeira edição somente 500 ciclistas completaram o percurso, já neste ano foram quase nove mil pessoas pedalando de São Paulo até Santos. Esse é mais um fato que comprova o aumento no número de ciclistas.

O mercado tem visto nesses números uma oportunidade de lançar novos produtos para esse público crescente. Já tem até bicicleta elétrica com design de moto e, para quem perdeu essa e outras novidades, o CicloVivo relembra algumas invenções que deram o que falar neste ano:

Bike que brilha no escuro: A bicicleta “Puma glow-in-the-dark”, criada pela empresa alemã Puma, é ideal para quem quer pedalar à noite pela cidade. Entre suas características, a bike possui um sistema de bloqueio integrado, fio de segurança que pode ser retirado evitando furtos, freios a disco, rodas em liga de prata e uma corrente de aço carbono. O modelo está disponível em duas opções de cores, creme que se transforma em verde brilhante (no escuro) e laranja que fica dourada. Ela brilha especialmente se for deixada exposta à luz do sol durante todo o dia.

Bike inteligente: A Smart ebike é uma bicicleta inteligente de mecanismo híbrido que foi exposta no Salão do Automóvel, em São Paulo. Desenvolvida pela Mercedes-Benz, seu motor elétrico, de 250W, trabalha junto com uma bateria portátil, que pode ser carregada em tomadas convencionais e não requer manutenção. A corrente desta e-bike é elaborada a partir de fibra de carbono, material que dispensa manutenção e lubrificação; com esse sistema, o ciclista não se suja de graxa e até mesmo previne alguns acidentes sobre duas rodas.

Bicicleta sem pedais: Fliz é o apelido da bicicleta movida a propulsão humana, que não utiliza os pedais e correntes. O modelo não tem banco e o usuário fica praticamente pendurado na bicicleta, já que a estrutura é inversa aos quadros tradicionais. O guidão é igual ao das bikes normais, mas não necessita de câmbio de marchas, já que o usuário empurra a bicicleta com o impulso dado com os pés no chão. Os designers explicam que o formato alivia as articulações, se comparado às bicicletas comuns, o peso do corpo também é distribuído por uma área maior. Por esse diferencial o modelo pode ser usado também em terapias e por pessoas com mobilidade reduzida.

Carrinho de bebê equipado com bike: O carrinho de bebê que também funciona como bicicleta é criação da Taga Bikes, uma empresa formada por integrantes de diversos países. Enquanto os carrinhos tradicionais possuem quatro rodas pequenas, o Taga é equipado com três rodas de aro médio. Quando a bicicleta está fora de uso, o tamanho do carrinho é reduzido e ele pode ser empurrado normalmente. O Taga facilita o transporte e possibilita que os pais pratiquem uma atividade física ao mesmo tempo em que passam tempo com seus filhos.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.