borra de café

Combustível para começar o dia, o café tem um grande potencial de gerar energia. Cascas e borras de café podem ser aproveitados ao invés de serem despejados no lixo e, posteriormente, serem enviados para aterros – onde vão emitir metano. Foi por isso que, em 2017, a startup inglesa Bio-bean começou a transformar borra de café em biocombustível para ônibus. 

A ideia, que chegou a ser premiada, não se mostrou comercialmente viável, mas isso não foi motivo para desistir. A Bio-bean seguiu com suas pesquisas, focando em outras soluções para este recurso tão valioso quanto pouco valorizado. Hoje a companhia é especializada em aproveitar pó de café usado para a fabricação de lenha e pellets.

Os produtos são vendidos para uso doméstico e industrial. A lenha pode ser usada em fogões e lareiras e os pellets de biomassa vão para caldeiras comerciais. Ainda foi criado um terceiro produto a partir de grãos de café: um extrato de sabor natural para uso na indústria de alimentos e bebidas.

Benefícios

Individualmente, é possível aproveitar a borra de café em casa para fertilizar a horta, mas o recurso tem um potencial enorme para uso em larga escala, que beneficie toda a sociedade. 

“Jogar fora esse precioso recurso natural que ainda tem amplo e significativo valor e aplicações em vários setores é um ato de consumo supérfluo que demonstra perfeitamente a abordagem ‘extraia, produza, descarte’ da nossa atual estrutura econômica linear”, afirma a Bio-bean em seu site. 

Foi nesse vácuo mercadológico que a companhia inaugurou uma grande fábrica de reciclagem de resíduos de café em Cambridgeshire, um condado da Inglaterra.

“Com 95 milhões de xícaras de café consumidas todos os dias somente no Reino Unido, quase meio milhão de toneladas de resíduos de café são criados todos os anos. Esses resíduos, uma vez descontaminados, secos e peletizados, tornam-se um ‘super’ combustível: altamente calorífico, consistente e bem adequado para queimar em grandes caldeiras de tamanho comercial e industrial”, explica a companhia em seu site. 

A startup garante toda a logística e gerenciamento dos resíduos. Ela recolhe-os em grandes cadeias de café, restaurantes, escritórios, pequenas cafeterias, estações ferroviárias e até dentro de um pequeno aeroporto de Londres.

O que iria para o lixo transforma-se no Coffee Logs, um produto que alcança 20% de temperatura mais alta e mais duradoura do que os combustíveis convencionais de madeira seca. 

Cada tora é feita a partir de cerca de 25 xícaras de café e o processo de reciclagem reduz em até 80% as emissões de gás carbônico.

Os Coffee Logs são embalados em sacos de papel resistentes à umidade e totalmente recicláveis. Eles estão disponíveis para venda em lojas físicas e online em todo o Reino Unido. 

A Bio-bean espera crescer à medida que aumenta a preocupação com a geração de resíduos. Também deve se beneficiar de novas leis governamentais neste sentido. É o caso de uma proibição que proíbe a venda de carvão doméstico e madeira úmida para queima doméstica. A medida foi anunciada pelo governo do Reino Unido em fevereiro deste ano e passa a valer em 2021. “Onde quer que haja necessidade de grandes quantidades de calor térmico, há lugar para energia renovável de biomassa com baixo teor de carbono”, afirma a startup.