- Publicidade -

A Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza anunciou em dezembro os três negócios de impacto socioambiental positivo vencedores da primeira edição do Programa Natureza Empreendedora na Baía Guanabara. Os destaques do programa de aceleração foram a Redinha, projeto de economia circular que transforma redes de pesca abandonadas em bolsas, que ficou em primeiro lugar; a GuapimirimTur, que atua com experiências de ecoturismo; e a Coopcarmo, cooperativa formada por mulheres que realiza a coleta seletiva em quatro municípios da região da baía. O primeiro colocado vai receber R$ 10 mil, enquanto os outros dois ganharão R$ 5 mil cada.

Com execução técnica do Sebrae-Rio, o Natureza Empreendedora é uma iniciativa que busca fortalecer e dar visibilidade a negócios que contribuam com a conservação da biodiversidade nos 17 municípios da bacia hidrográfica da Baía de Guanabara. O programa recebeu cerca de 80 inscrições e selecionou 15 negócios para terem seus processos amadurecidos em capacitações e mentorias gratuitas. Ao final, os três empreendimentos mais bem avaliados foram escolhidos para receber a premiação em dinheiro.

“Acreditamos que as empresas, além de gerarem resultados econômicos e sociais, necessitam promover impacto ambiental positivo a partir de suas atividades. Afinal, um planeta saudável é condição essencial para que os negócios prosperem. Diante do grande potencial para este tipo de empreendimento na região hidrográfica da Baía de Guanabara, nosso objetivo é fortalecer os empreendedores que já estão trilhando caminhos inovadores e sustentáveis, mas que precisam de apoio para crescer”, explica Guilherme Karam, gerente de Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário.

- Publicidade -

Os negócios ganhadores do Natureza Empreendedora foram selecionados por um comitê que avaliou critérios como viabilidade técnica e econômica, impacto ambiental positivo, visão de futuro, parcerias estratégicas e o envolvimento com a comunidade local.

Os vencedores

A Redinha impulsiona a geração de renda dos pescadores de Jurujuba, em Niterói, e de artesãs, que fazem o trabalho de crochê das bolsas. Originalmente, as ‘Redinhas’ foram criadas para substituir as sacolas de uso único dos hortifrútis, mas logo ganharam outras funções e novos modelos. Em cerca de um ano de atuação, mais de mil redinhas foram vendidas para diversas cidades do Brasil. O negócio contribui para resolver o problema do descarte indevido das redes de pesca, eliminação do plástico descartável e recolhimento do lixo da Baía de Guanabara. A capacitação das artesãs é outra vertente do trabalho, pois as profissionais menos experientes recebem treinamento gratuito.

Localizada no município de Guapimirim, a agência GuapimirimTur oferece experiências de ecoturismo da Serra dos Órgãos à Baía de Guanabara. Com passeios turísticos a bordo de barcos de pescadores locais, a empresa busca conscientizar o turista da importância da Baía de Guanabara e da fauna que depende desse ecossistema para viver. A agência promove a aproximação entre a comunidade e os turistas de todo o Brasil, especialmente do Rio de Janeiro, que muitas vezes não conhecem os manguezais e outras riquezas naturais da baía. O roteiro contempla a observação dos botos-cinza, um dos principais mamíferos afetados pela poluição no território. A ideia é mostrar para crianças, jovens e adultos a importância de preservar e cuidar da baía e das vidas que se refugiam na APA de Guapimirim.

Cooperativa formada por mulheres de baixa renda, a Coopcarmo realiza trabalho de coleta seletiva de materiais recicláveis e de educação ambiental desde 1993. Atualmente, coleta cerca de 20 toneladas por mês com caminhão próprio nas cidades de Mesquita, Belford Roxo, Nova Iguaçu e Nilópolis. Referência como modelo de autogestão, além de contribuir para a preservação ambiental, a Coopcarmo promove o resgate da cidadania, a inclusão social e a geração de renda para as mulheres da comunidade de Jacutinga, em Mesquita.

A bacia hidrográfica da Baía de Guanabara envolve os municípios de Belford Roxo, Cachoeiras de Macacu, Duque de Caxias, Guapimirim, Itaboraí, Magé, Maricá, Mesquita, Nilópolis, Niterói, Nova Iguaçu, Petrópolis, Rio Bonito, Rio de Janeiro, São Gonçalo, São João de Meriti e Tanguá.

Movimento Viva Água

O programa Natureza Empreendedora vai ao encontro dos objetivos estratégicos do Movimento Viva Água na Baía de Guanabara. Liderado pela Fundação Grupo Boticário, Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Comitê de Bacia da Baía de Guanabara, Instituto humanize, Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG) e o Sistema B, o movimento tem o propósito de fortalecer a segurança hídrica, promover a adaptação às mudanças climáticas e fomentar o empreendedorismo sustentável nos 17 municípios da região da bacia hidrográfica.

- Publicidade -