Yacouba Sawadogo recebeu o Right Livelihood Award, conhecido como o “Nobel alternativo”, depois de deter o avanço de um deserto com o plantio de árvores. O prêmio é concedido por uma entidade independente e apartidária que apoia projetos e iniciativas que solucionam problemas mundiais. Graças à determinação do agricultor, terras áridas se transformaram em solo fértil.

Imagem: Reprodução YouTube

Yacouba nasceu em Bruquina, um país africano com pouco mais de 16 milhões de habitantes que fica entre o deserto do Saara e o Golfo da Guiné. Com seu trabalho, árvores ocuparam 40 hectares de regiões antes consideradas áridas e improdutivas que estavam abandonadas entre Burquina e o Rio Níger.

Nos anos 80 uma grande seca fez com que a população abandonasse as áreas rurais e fosse tentar a vida nas cidades. Yacouba continuou no campo e resgatou técnicas seculares de seu povo para literalmente plantar no deserto.

Imagem: Reprodução YouTube

Conhecimento secular

Conhecida como zai a primeira técnica usada por Yacouba consiste em cavar buracos com distância regular entre eles e depois preencher estes buracos com fertilizantes naturais. As cavidades retêm a água dos breves períodos de chuva e os fertilizantes, além de recuperarem o solo, atraem formigas, que cavam túneis e contribuem para a melhor distribuição da valiosa água.

Outro recurso usado por ele foi a construção de pequenas barreiras de pedra, nas áreas plantadas. Com a altura de um punho, esta barreira impede o escoamento rápido de água e retém o orvalho noturno, umedecendo a terra.

Imagem: Reprodução YouTube

São duas técnicas simples, que não dependem de muitos recursos. Mas, precisam de alguém que tenha a força de vontade de trabalhar sistematicamente. Foi o que fez Yacouba. Hoje a região abriga cerca de 60 espécies de árvores, plantações de sorgo, milho e produção de frutas e mel.

As árvores ao lado das plantações garantem sombra para o gado, uma temperatura mais amena para as culturas agrícolas e abrem a possibilidade do trabalho de apicultores na região.

Superação e cooperação

“Me sinto muito honrado em receber este prêmio. Ele vai me ajudar a seguir meu trabalho”, comemorou Sawadogo. “Espero que este reconhecimento inspire outros agricultores a plantar e a defender a biodiversidade”.

Yacouba lembra que, no início, a comunidade agrícola foi resistente ao plantio de bosques e algumas árvores chegaram a ser queimadas. Mas ele não desistiu e conforme o resultado ia aparecendo, as pessoas se juntaram ao agricultor que passou a organizar cursos para ensinar aos agricultores locais como recuperar suas terras.

Imagem: Reprodução YouTube

“Yacouba Sawadogo prometeu que iria deter o deserto e cumpriu sua promessa. Se as comunidades locais e os especialistas internacionais estiverem dispostos, é possível aprender o que ele tem para ensinar  e regenerar grandes áreas degradadas. Com isso podemos reduzir a imigração forçada e chegar mais perto da paz”, conclui Ole von Uexkull, diretor executivo da The Right Livelihood Foundation, instituição sueca responsável por premiar iniciativas como as de Yacouba.

Veja o vídeo produzido pela The Right Livelihood Foundation sobre o agricultor (legendas em inglês):