Há algumas semanas o médico veterinário Ricardo Fehr Camargo decidiu atender gratuitamente animais necessitados. Ele, então, gravou um vídeo amador, divulgou em seu Facebook e a publicação alcançou mais de um milhão de pessoas. Tamanha visibilidade chamou a atenção do Conselho Regional de Medicina Veterinária de São Paulo (CRMV-SP), que proibiu a prática. A justificativa seria de que um veterinário não pode oferecer serviços gratuitos em uma clínica.

No primeiro vídeo em que apresenta a iniciativa, Camargo deixa claro que o seu trabalho será oferecido de forma voluntária por ele e por sua esposa, também veterinária, a qualquer pessoa que não tem condições de pagar por uma consulta. No último sábado (20), enquanto atendia, ele recebeu a visita de uma oficial do CRMV-SP informando que esta prática está fora dos padrões de ética da profissão e que deveria ser suspensa imediatamente, correndo o risco de receber até mesmo um processo judicial.

De acordo com a representante do Conselho, conforme descrito no Manual de Ética da profissão, os atendimentos gratuitos a animais só podem ser realizados em três circunstâncias: ensino, pesquisa e utilidade pública, o que, segundo ela, não é o caso. Para o CRMV-SP, utilidade pública seriam apenas consultas clínicas realizadas por Organizações Não Governamentais, o que impediria o trabalho voluntário realizado dentro de consultórios privados.

Camargo registrou toda a visita, publicou no Facebook e solicitou o apoio da população para que ele possa voltar a realizar os atendimentos gratuitos. Segundo ele, esta é uma forma de ajudar parte da população que não tem acesso a serviços públicos de qualidade e nem condições de pagar por tratamentos aos seus animais.

O veterinário ainda explicou que, para garantir que pessoas carentes sejam as beneficiadas pela iniciativa, é feita uma triagem prévia e, entre os animais que foram ao primeiro atendimento, 95% deles nunca havia visitado um veterinário.

Publicado há menos de um dia, o vídeo já teve mais de três milhões de visualizações e contou com o apoio de famosos que lutam pela causa dos animais, como a Luisa Mel. Entre os mais de três mil comentários estão muitas pessoas indignadas com a medida, dizendo que este tipo de serviço prestado a pessoas carentes é de certa forma utilidade pública. Também são vistos muitos veterinários apoiando Camargo, com o intuito de pressionar e incentivar outros profissionais a replicarem este tipo de trabalho em suas cidades.

A situação originou um abaixo-assinado que pede ao CRMV-SP que permita que os veterinários autônomos realizem atendimentos gratuitos. Clique aqui para assinar.

Publicado por Ricardo Fehr Camargo em Segunda, 1 de fevereiro de 2016

Redação CicloVivo