A Associação Cruz Verde instituição sem fins lucrativos que promove o tratamento de pacientes com paralisia cerebral, lançou uma campanha que promete tornar mais fácil o caminho entre doadores e a organização. Basta uma simples mensagem no celular para ajudar financeiramente o projeto, mesmo sem gastar um centavo.

A proposta foi chamada de “Selfie do bem” e funciona de maneira muito simples. O estado de São Paulo oferece à população uma ferramenta chamada de Nota Fiscal Paulista. Através dela, é possível reaver parte do imposto recolhido pelo estabelecimento. Para que o consumidor receba este valor, é necessário informar o CPF no momento da compra. No entanto, quem opta por não incluir o número do documento pessoal, pode doar a quantia que receberia a uma organização sem fins lucrativos, como é o caso da Associação Cruz Verde.

Através da campanha, não é necessário entregar a nota ou cupom fiscal em um posto de arrecadação. Com a “Selfie do bem”, o consumidor precisa apenas tirar uma foto do documento fiscal e enviar à entidade através do aplicativo WhatsApp (11) 98719-6107.

O projeto teve início em 2014 e, desde então, tem sido muito importante para ajudar a organização a angariar fundos. “Recebemos mil selfies por mês, sendo que cada nota fiscal reverte em recurso para a entidade. É uma maneira simples, rápida e sem custo de ajudar as crianças da Cruz Verde”, informou Marilena Pacios, superintendente da organização.

Apenas no último ano, os créditos obtidos a partir das notas ficais representaram 10% do valor arrecadado pela instituição. Fundada em 1958, a associação atende, atualmente, 204 pacientes de todas as idades com paralisia grave em regime de internato e outros 18 mil pacientes através do Ambulatório e Hospital-Dia.

Notas válidas

Notas de compras em lojas de calçados, vestuário, restaurantes, bares, lanchonetes e fast-foods. Não são válidas notas fiscais de supermercados, farmácias e postos de gasolina.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.