A cerca de 40km da de Sergipe, Santa Rosa de Lima, no Vale do Cotinguiba, fica localizada entre morros e extensos canaviais. É nesse cenário que quatro estudantes desenvolveram um plástico biodegradável, o chamado bioplástico, a partir da matéria-prima abundante na região: a cana-de-açúcar. 

O projeto Meninas na Ciência, executado em parceria com a Universidade Federal de Sergipe (UFS), tem mudado a vida de algumas estudantes do Centro de Excelência Dr. Edélzio Vieira de Melo, unidade de Ensino Médio em Tempo Integral.

Com o apoio da professora de Química, Laís Menezes, o projeto é desenvolvido por estudantes dentro da própria escola.

Laís e as estudantes Maria Eloíza, Leila Kauane, Sirley Mendonça e Eline Santana uniram a história do Vale do Cotinguiba com a responsabilidade socioambiental, combatendo o uso de plásticos.

Materiais sustentáveis

O primeiro passo para a concepção do plástico biodegradável é o recolhimento do bagaço da cana doado por uma feirante. O material é colocado na estufa, triturado e levado ao fogo com uma solução composta de amido e farinha de trigo.

O resultado desta mistura é moldado para formar pratos, o copos, colheres e  canudinhos. Testes com outros ingredientes estão sendo realizados para criar um canudo comestível. “Para o canudo ser comestível, ele precisa ser atraente. Não só no olhar, mas também no sabor”, explica a professora.  

As estudantes afirmam ter encontrado nas aulas de química um caminho de descobertas. Com a orientação da professora, elas dão aulas experimentais uma vez por mês aos colegas, que já manifestam o interesse em participar do projeto.