lingerie doação
Foto: Fahad Waseem | Unsplash
- Publicidade -

Com o veto do presidente do Brasil à doação de absorventes para meninas e mulheres em situação de vulnerabilidade, a questão da pobreza menstrual se tornou conhecida por muitas pessoas que até então não sabiam o impacto que a falta de absorventes pode trazer.

Neste cenário, a doação de roupas íntimas, outra questão pouco comum, pode ganhar espaço e ajudar muitas mulheres que não tem condições de comprar peças novas. O uso de peças íntimas em boas condições também é importante para a saúde e bem estar de mulheres e meninas.

Embora vigore no senso comum de que doar roupas íntimas usadas não é possível, esta ação é possível e necessária – desde que sejam respeitados protocolos de higiene.

- Publicidade -
lingerie doação
Foto: Pixabay

Mariangela Maluf, médica ginecologista pela Universidade de São Paulo (USP) e doutora em Ciências, explica que as lavanderias industriais conseguem eliminar totalmente eventuais agentes infecciosos que possam estar presentes nas roupas íntimas antes da doação. Assim, após a higienização correta, as peças podem ser doadas sem que ofereçam qualquer risco a quem for receber as doações. 

Outro aspecto a ser considerado é o estado em que as roupas íntimas estão. Só são aceitas para doação peças que possam ser recebidas, higienizadas e então novamente utilizadas. As roupas íntimas entregues para doação devem estar obrigatoriamente inteiras, sem rasgos e com elásticos funcionando. 

Caso não tenham mais condições de uso, devem ser descartadas, e há locais preparados para isso, bem como campanhas específicas para recebimento de roupas íntimas para descarte. 

Para além da questão social, existe também o impacto ambiental do descarte incorreto das calcinhas. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Têxtil, a cada ano, cerca de 170 toneladas de lixo são produzidas pelo setor de roupas íntimas do Brasil e menos da metade deste total é reciclada.   

Doe Esperança – Lingerie para todas

Com o objetivo de reduzir o seu impacto ambiental e ajudar quem precisa, a marca de roupas íntimas HOPE criou o projeto Doe Esperança – Lingerie para todas. A iniciativa prevê a arrecadação de calcinhas, sutiãs e pijamas usados, que depois de sua correta desinfecção e higienização serão doados para ONGs, fundações ou entidades religiosas à escolha de cada lojista. 

“O projeto da HOPE oferece às mulheres e meninas em situação de vulnerabilidade a oportunidade de manter uma higiene íntima mais saudável. Aquela peça que está no armário há tempos sem uso, porém em bom estado, pode garantir mais saúde, dignidade e incontáveis sorrisos para quem está em situação vulnerável”, reforça Débora Spitzcovsky, coordenadora da Entrega por SP,  uma das instituições que faz parte do projeto na capital paulista.

Além de impedir o descarte das peças usadas na natureza, a intenção do projeto é oferecer roupas íntimas em boas condições de uso à população em situação de rua – em razão da falsa premissa de que calcinhas e sutiãs não podem ser doados ou reutilizados, o volume de doações costuma ser muito baixo, fazendo com que estas sejam uma das maiores necessidades dos moradores de rua.  

“Queremos mudar o mindset das nossas clientes e mostrar que é possível, sim, doar peças íntimas em bom estado em vez de descartar no lixo comum, picar ou queimar, ainda mais que as nossas peças têm uma longa durabilidade”, explica Sandra Chayo, diretora de marketing e estilo e sócia do Grupo HOPE.

Como doar?

A iniciativa receberá calcinhas, sutiãs e pijamas de todos os modelos, cores e marcas. Inicialmente, o projeto-piloto já está sendo realizado em três lojas da HOPE em São Paulo: Shopping JK, Shopping Morumbi e Oscar Freire. A ideia da companhia é que a ação se torne perene, expandindo também para as unidades as lojas HOPE do Brasil e futuramente para as unidades Sob Medida e para todos os representantes da marca.  

  • Podem ser doados calcinhas, sutiãs e pijamas em bom estado; 
  • As peças devem estar com sua função de uso preservada. Por exemplo: um sutiã sem o fecho não funciona mais como um sutiã. Portanto, não é uma peça funcional;
  • É importante frisar: doação não é descarte. Assim, as peças precisam estar em bom estado de conservação, sem rasgos e higienizadas.
- Publicidade -