Primeira feira mensal de produtos quilombolas estreia em São Paulo

Quilombo Quebrada leva à periferia paulistana a diversidade de frutas, legumes e verduras produzida no Vale do Ribeira

feira quilombola
Distribuição de alimentos orgânicos da Cooperquivale na comunidade de São Remo, na zona oeste de São Paulo. Foto: Rodrigo Kees | ISA

Pela primeira vez, alimentos orgânicos e agroecológicos produzidos de forma sustentável nos quilombos do Vale do Ribeira (SP) serão comercializados em uma feira mensal na capital paulista. A feira é parte da iniciativa Quilombo Quebrada, uma parceria do Mulheres de Ori e Kitanda das Minas com a Cooperativa dos Agricultores Quilombolas do Vale do Ribeira (Cooperquivale).

O objetivo é levar à quebrada, a preços baixos, a diversidade de frutas, legumes e verduras produzida nos quilombos.

A feira gera renda para agricultoras e agricultores quilombolas e, ao mesmo tempo, alimenta famílias que convivem com a insegurança alimentar. Quilombo Quebrada, como o próprio nome diz, fortalece a conexão entre os quilombos e as quebradas de São Paulo, territórios com raízes negras.

Com estreia agendada para este sábado, dia 9 de julho, a feira vai acontecer todos os meses no Galpão ZL, equipamento gerido pela Fundação Tide Setúbal e Sociedade Amigos do Jardim Lapena, em São Miguel Paulista, extremo da zona leste de São Paulo.

agricultores orgânicos e agroecológicos
Foto: Peter Feghali | Unsplash

A Cooperquivale, com sede no município de Eldorado (SP), recebe apoio técnico do Instituto Socioambiental (ISA) para organizar e escoar sua produção.

Com preços subsidiados, os produtos apresentados na feira são oriundos das roças quilombolas, que são parte do Sistema Agrícola Tradicional Quilombola, reconhecido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como patrimônio cultural do Brasil.

No evento acontecerá uma sessão de pré-lançamento do minidocumentário “Do Quilombo pra Favela – Alimento para a resistência negra”, produzido pelo ISA em parceria com a Cooperquivale e as associações quilombolas do Vale do Ribeira.

A exibição será seguida de debate provocado pela mesa de abertura “Racismo Ambiental e Insegurança Alimentar: na encruza entre quilombo e quebrada”.

livro mulheres quilombolas
Mulheres quilombolas trabalhando juntas. Foto: Reprodução | Olhares Podcast

A mesa contará com a mediação de Andressa Cabral (jornalista do ISA, programa Vale do Ribeira) e participação de Nilce Pontes (coordenadora nacional da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas – CONAQ), Tania Moraes (conselheira fiscal da Cooperquivale – Cooperativa de Agricultores do Vale do Ribeira e membro da Equipe de Articulação e Assessoria às Comunidades Negras – EAACONE), Gisele Brito (militante UNEAFRO, Coalizão Negra por Direitos e assessora de desenvolvimento de projetos do Instituto de Referência Negra Peregum) e Adriana Rodrigues (coordenadora Mulheres de Orì e analista de desenvolvimento do ISA).

A festa contará com a discotecagem da DJ Bia Sankofa (militante Coletivo Força Ativa) e se encerra com o Samba das Pretas, grupo formado por mulheres negras da Cidade Tiradentes.

Quilombo Quebrada e a primeira feira quilombola em São Paulo!

  • Local: Galpão ZL (R. Serra da Juruoca, 112 – Jardim Lapena, São Paulo – SP, 08071-180)
  • Mesa de debate: 10h
  • Feira quilombola: das 9h às 16h
  • Entrada gratuita

Quer ajudar os quilombolas do Brasil?

Você pode contribuir com o ISA, instituição que há décadas trabalha com ações de comunicação, articulação e mobilização política na defesa dos direitos dos povos indígenas e das populações tradicionais, como quilombolas e comunidades ribeirinhas. Os recursos serão direcionados para o Fundo de Defesa dos Direitos dos Povos, além de iniciativas para adesão de novos apoiadores.

ISA
Imagem: Reprodução | ISA

Por Roberto Almeida , jornalista do ISA | Instituto Socioambiental