Na fila do SUS é uma websérie em formato original com seis episódios, exibidos com exclusividade pela plataforma online Bombozila – responsável pela produção da série, e que disponibiliza gratuitamente mais de 500 documentários de quinze países sobre lutas sociais. 

Dirigida pela profissional e pesquisadora em Saúde Pública Ellen Francisco e produzido pela Bombozila, a série retrata os ataques ao SUS em 3 diferentes perspectivas e estados, além do impacto da atual pandemia de Covid-19 nestes diferentes cenários.

Os seis episódios abordam realidades urgentes durante a pandemia e que ganham destaque neste cenário, mas que indicam problemas sociais que vão muito além do quadro provocado pelo novo coronavírus. Os moradores de rua, os povos indígenas e as comunidades nas favelas ganharam episódios exclusivos.

Povos indígenas

Reprodução | Bombozila

O segundo episódio da websérie, disponível desde o dia 20 de abril, fala sobre a luta dos povos indígenas contra o desmonte das políticas de saúde, no contexto do avanço do agronegócio sobre áreas de preservação na Amazônia e conta com entrevista de Roberto Liebgott, do Coordenador da Regional Sul do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) e de Sofia Mendonça, coordenadora do Projeto Xingu, da UNIFESP. 

Segundo matéria publicada pelo Instituto Socioambiental, o número de indígenas mortos por COVID-19 aumentou quase 45% em dois dias: segundo levantamento independente da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), entre quinta e sexta-feira (08/05) as mortes passaram de 38 para 55 em todo país.

Ainda segundo a Apib, são mais de 220 casos de indígenas contaminados, com 30 povos afetados – o epicentro da epidemia entre os povos indígenas segue no Amazonas. As informações são obtidas com familiares de vítimas, profissionais de saúde, organizações indígenas locais e regionais. Os dados também são agregados às informações da Secretaria Especial de Saúde Indígena e do Ministérios da Saúde.

Infelizmente, como acontece com dados referentes ao restante da populacão brasileira, a estatística oficial é subnotificada entre os índios. De acordo com a Sesai, o número de índios mortos por Covid-19 na sexta-feira era mais de três vezes maior do que o levantado pela Apib, 15 casos, contra os 55 confirmados pela associação.

Defesa do SUS

Para a diretora Ellen Francisco o momento reforça a necessidade explícita da defesa do SUS: “A atual situação da saúde evidenciada pela pandemia de Covid-19 soa como um recado urgente: é necessário promover o debate sobre o desmonte do SUS no Brasil. Em uma situação como a atual isso reforça que a população precisa tomar conhecimento sobre o impacto disso na vida delas”.

“Em tempos onde a necessidade isolamento social é a melhor medida, o documentário de luta social é uma importante ferramenta para a defesa do direito à saúde porque estamos em um momento que faltam leitos, equipamentos, medicamentos, é um cenário extremamente complicado”, pontua Ellen.

Confira todos os episódios

Gravada desde o ano passado, a produção independente foi produzida por meio de financiamento coletivo, com apoio do sindicato dos trabalhadores da Fundação Oswaldo Cruz e de profissionais de saúde da linha de frente em todo Brasil. 

A Websérie “Na fila do Sus” terá os seguintes episódios na plataforma Bombozila, com lançamento nas datas abaixo:

  • O povo da rua – São Paulo – 13 de abril 
  • Povos indígenas – Brasília – 20 de abril
  • Favela Nós por Nós – Rio de Janeiro – 27 de abril
  • Covid-19 –  5 de maio – Brasil  
  • Sistema Único da Saúde – Brasília – 11 de maio
  • Uberização da Vida – Rio de Janeiro – 18 de maio