Com informações do Setor de Comunicação e Cultura do MST

Como forma de ajudar as pessoas mais vulneráveis durante este período de isolamento social e combate à pandemia, o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra tem destinado, por meio de seus acampamentos, parte da produção de alimentos orgânicos para famílias carentes em diferentes cidades do Brasil.

No Paraná estão sendo doadas 5 toneladas de alimentos orgânicos e no Rio Grande do Sul a doação envolve 12 toneladas de arroz para compor cestas básicas.  

Doações no Paraná

Três acampamentos do Paraná doaram 5 toneladas de alimentos nos municípios de Castro e Ponta Grossa, nesta terça-feira, 7 de abril. Os alimentos são resultados de cultivos totalmente orgânicos nos acampamentos Maria Rosa do Contestado e Padre Roque Zimmermann, em Castro, e no pré-assentamento Emiliano Zapata, em Ponta Grossa. 

“Vários trabalhadores e trabalhadoras não podem sair de casa para trabalhar e trazer o sustento. Por isso, a importância dessa solidariedade nesses dias difíceis que o mundo passa. Eu quero deixar essa mensagem positiva sobre o valor que tem a solidariedade e o companheirismo nesses dias tão difíceis, e que juntos podemos combater o coronavírus”, garantiu o produtor agroecológico da comunidade Emiliano Zapata, João Misael. 

Maria Bueno dos Santos, chamada carinhosamente de vó Maria, falou com satisfação sobre a ação de solidariedade organizada pela comunidade Padre Roque, onde ela vive: “Eu estou feliz de poder compartilhar com os que estão na cidade. Vamos dividir com os que estão precisando”, disse ela. 

Em Castro, 3 toneladas de alimentos foram doadas a cinco Centros de Referência de Assistência Social (CRAS). Entre os alimentos, estão hortaliças, batata-doce, mandioca, milho verde e feijão, cultivados por 150 famílias de dois acampamentos.

Já em Ponta Grossa, 2 toneladas de produtos foram destinadas ao Banco de Alimentos do Serviço de Obras Sociais (SOS), da Prefeitura de Ponta Grossa, entre arroz, feijão, mandioca, pepino e folhas, cultivados por 50 famílias residentes na comunidade Emiliano Zapata. Em Castro, cerca de 1,5 toneladas de alimentos já haviam sido doadas, na forma de entregas avulsas, a mais de 45 famílias carentes na área urbana, desde 9 de março.

Doações no Rio Grande do Sul

A cestas serão compostas por arroz, feijão, farinha, massa, azeite e detergente
Foto: Leandro Molina

As cooperativas gaúchas do MST vão doar 12 toneladas de arroz orgânico para compor cestas básicas que serão entregues a famílias em situação de vulnerabilidade no Rio Grande do Sul, devido ao Covid-19 e a uma das maiores secas já vista no estado.

“Nesse momento tão difícil, de pandemia do coronavírus e de estiagem, todos precisam doar um pouco de si para que possamos passar por isso”, declara Emerson Giacomelli, coordenador do Grupo Gestor do Arroz Agroecológico do MST. A produção do arroz orgânico pelo movimento completa mais de 20 anos e hoje é o maior produtor da América Latina. 

As entregas dos kits com arroz, feijão, farinha, massa, azeite e detergente começaram no dia 1º de abril, na Lomba do Pinheiro e Vila Cruzeiro, em Porto Alegre, e bairro Santa Isabel, em Viamão. “Essa doação expressa a solidariedade dos assentados, e isso significa repartir aquilo que temos”, pontua Sidnei Santos, da direção estadual do MST/RS.

A ação integra a campanha organizada pelo Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável do RS (Consea) e Comitê Gaúcho de Emergência no Combate à Fome, formado por representações de diversos setores que estão atuando para atender as famílias carentes, neste primeiro momento na capital e região Metropolitana.