O prefeito recém-eleito em São Paulo, João Dória, anunciou nesta quinta-feira (5) a intenção de parar a expansão cicloviária na capital paulista. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, ele disse que a rede existente será ampliada apenas se for comprovada a necessidade real das faixas exclusivas.

O assunto, inclusive, tem sido parte das maiores polêmicas eleitorais e dos comparativos entre a gestão atual e que está por vir. Quando eleito, o atual prefeito Fernando Haddad prometeu criar 400 novos quilômetros de ciclovias, a meta mais audaciosa já feita.

Prestes a entregar o cargo, o gestor entregou 354,1 km, e garante que o restante será finalizado até o final do ano. Como algumas das novas vias foram muito questionadas pela qualidade e até pela utilização, as ciclovias têm sido alvo de críticas e devem passar por modificações na próxima gestão.

O projeto de Dória é manter parte das novas estruturas e repensar outras, incluindo a possibilidade de privatiza-las: “As ciclovias serão preservadas onde funcionam bem, onde têm movimento, ciclistas. Não serão continuadas em calçadas nem onde não são utilizadas. Vamos fazer um estudo para avaliar isso. Já as ciclovias que foram assimiladas pela população vão continuar e serão mantidas pela iniciativa privada porque a Prefeitura faz mal hoje essa conservação. Vamos escolher uma área e permitir ali a publicidade. As empresas interessadas poderão adotá-las por um ano ou mais.”

Ao ser indagado sobre a ampliação da rede, ele foi direto: “Não. Só se houver uma necessidade real e comprovada. Apenas para cumprir meta, não”.

Redação CicloVivo