Aromeiazero lança material gratuito sobre mecânica da bike e geração de renda

O “Caderno Viver de Bike” tem mais de 50 páginas e pode ser acessado gratuitamente.

viver de bike

Vem aí o Caderno Viver de Bike, um projeto que vem sendo idealizado há 7 anos pelo Instituto Aromeiazero, a fim de promover informação sobre empreendedorismo, geração de renda e mecânica das bikes.

O material se faz necessário em tempos de pandemia, onde o desemprego já é uma realidade. Segundo o IBGE, cerca de 3 milhões de pessoas ficaram desempregadas nos últimos quatro meses, e a quantidade de indivíduos inseridos na rotina de trabalho informal, como as entregas, alcançou 27,2 milhões.

Por isso, em decorrência das consequências financeiras trazidas pela Covid-19, se faz urgente a organização financeira, o conhecimento em mecânica e uma boa gestão das finanças, e é esse apoio que o Caderno Viver de Bike oferecerá, de forma gratuita. 

Serão mais de 50 páginas divididas em 4 capítulos de conteúdo didático sobre a mecânica das bikes (freio, câmbio e afins), dicas para pedalar com segurança, gestão financeira, empreendedorismo e muito mais.

O material é o apoio didático do Viver de Bike – projeto do Aro que desde 2016 busca promover a geração de renda através da bike, e agora online por conta da pandemia. Para assistir ao lançamento ao vivo e acessar o caderno gratuitamente, é necessário realizar a inscrição.

O lançamento online está agendado para o dia 14 de outubro na página do Youtube, às 10h30. A programação conta com Suzane Nogueira, coordenadora do caderno, que irá apresentá-lo ao lado de Puga Menezes, diretor de arte do material. Depois, vai rolar um bate papo com Zé Lobo da Transporte Ativo, Rogério Ferreira da Central Bikes e ex-aluno do Viver de Bike, Cristina Filizzola da Aliança Empreendedora e Márcio Black, da Fundação Tide Setubal.

Através deste curso com o suporte do material didático, o Aro promove qualificação profissional e educação financeira principalmente para pessoas de regiões periféricas, e fortalece a busca por uma cidade mais resiliente. Tudo isso utilizando a bike como fonte de renda, sendo um recurso acessível, sustentável, simples e barato.