O excesso de áreas pavimentadas, prédios e residências em áreas de baixa altitude e o acúmulo de resíduos sólidos contribuem para um cenário de enchentes e alagamentos nas cidades. Uma solução possível é amortecer e manter parte da água da chuva em cisternas.

Estas cisternas podem ser construídas nas coberturas de casas, embaixo de telhados verdes – outra solução da arquitetura para problemas ambientais como ilhas de calor, por exemplo. É esta combinação entre cisternas e telhados verdes que propõe o Sistema Azul e Verde da Ecotelhado, empresa especialista em infraestrutura verde e design biofílico.

No sistema convencional, a água da chuva escoa sobre telhas e passa pelas ruas e calçadas carregando impurezas.  Com a laje cisterna, ela é recolhida e utilizada para irrigação do próprio telhado verde e outros fins não potáveis, como descargas de sanitários e jardinagem.

Segundo o engenheiro agrônomo João Manuel Feijó, o sistema cumpre duas funções ao mesmo tempo: promove a drenagem urbana com o amortecimento da água da chuva e age como um purificador do ar. A estrutura retém partículas de impurezas que ficam sob as coberturas e realiza a troca do CO2 por oxigênio. Isso traz melhorias na qualidade do ar e, consequentemente, proporciona bem-estar às pessoas.

Outro ponto importante é usar o sistema para diminuir a temperatura interna do ambiente e garantir a eficiência enérgica, reduzindo uso de ar condicionado e gastos com energia.

“Telhados verdes, jardins verticais, horta urbana contribuem para o aumento de áreas verdes na cidade, diminuem a incidência de doenças respiratórias, estresse e depressão”, ressalta Feijó.

Como funciona

A água é retida através de uma estrutura colocada abaixo da vegetação do teto verde, formando uma bacia superior sobre a laje. Assim, o excesso de chuva infiltra para a bacia de amortecimento e, lentamente, a água passa pelo tubo inferior de menor diâmetro. Além disso, quando a intensidade da chuva aumenta, a água passa a escoar também pelo tubo superior.

“Vamos captar água, prolongar o tempo de escoamento para as ruas e podemos evitar enchentes. Com o sistema, é possível minimizar as ilhas de calor e problemas causados pela poluição”, acrescenta o engenheiro agrônomo.