LEED Platinum
Foto: Divulgação
- Publicidade -

A crise hídrica dos últimos dois anos agravou as condições do setor elétrico brasileiro. A baixa disponibilidade nos reservatórios obrigou os Estados do Sul e Sudeste a importarem energia e exigiu a entrada em operação das termelétricas, tornando o custo da energia cada vez mais alto, num momento em que a inflação corrói o poder de compra.

Um bom exemplo de uso racional de energia e água vem do Primavera Office, empreendimento do Grupo Pedra Branca, em Florianópolis. O edifício acaba de receber o selo LEED Platinum. Assim, torna-se o 1º da capital catarinense a conquistar o mais alto nível de certificação, em sua categoria.

“Antes o que era uma novidade, está virando padrão. E nós estamos na vanguarda desse movimento, não apenas em Santa Catarina, mas também no Brasil”, comenta o diretor-executivo da Pedra Branca Empreendimentos, Marcelo Consonni Gomes.

- Publicidade -

O Primavera Office é um edifício comercial de 13,2 mil metros quadrados que está localizado no Passeio Primavera, complexo com bares, restaurantes e serviços. Também é sede da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate), que abriga diversas startups de tecnologia.

A edificação conta com diversas soluções de eficiência implantadas pela Petinelli, empresa de engenharia e consultoria em sustentabilidade. Sistemas eficientes de fachada e ar-condicionado, iluminação LED das áreas comuns e ventilação por demanda nas garagens são exemplos.

LEED Platinum
Foto: Divulgação
LEED Platinum
Foto: Divulgação

O prédio ainda possui sistema fotovoltaico para geração de energia solar. Os 84 módulos fotovoltaicos instalados no telhado do Primavera Office têm potencial de geração de energia de 33,8 MWh/ano. Esse conjunto é responsável por uma redução anual de 45% em energia para a edificação, o que equivale a uma economia de R$ 350 mil por ano para os inquilinos.

Além disso, os metais e louças eficientes e o sistema de reaproveitamento de água da chuva instalados na edificação garantem uma economia de 78% em água.

“O projeto foi concebido para proporcionar conforto térmico, qualidade do ar interno, eficiência energética e de uso da água, espaços abertos para convivência dos ocupantes e fácil acesso a transporte e serviços”, explica o CEO da Petinelli, Guido Petinelli.

Petinelli ressalta ainda que a edificação busca oferecer o máximo em bem-estar para os ocupantes do edifício. Ele explica que a fachada recebeu vidros com proteção solar para garantir conforto térmico em qualquer estação do ano, reduzindo a dependência do ar-condicionado.

LEED Platinum
Foto: Divulgação

“[O edifício] também proporciona vistas de qualidade do interior dos ambientes para o exterior, gerando conforto visual e reduzindo os níveis de estresse”, destaca. Além de contar com um ecossistema formado por espécies nativas ou adaptadas.

Para manter os ambientes arejados, evitando especialmente o surgimento de doenças respiratórias, foram entregues ventiladores de renovação do ar – tanto nas áreas comuns, quanto nas áreas internas. Até a garagem tem um sistema especial de ventilação, com monitoramento dos níveis de monóxido de carbono.

O edifício corporativo ainda oferece infraestrutura para carregamento de veículos elétricos e bicicletários. “A localização de fácil acesso a serviços e transporte público também contribui para uma menor dependência do uso de automóveis, que são altamente poluentes”, pontua Petinelli.

LEED Platinum valoriza prédio

O diretor-executivo da Pedra Branca conta o que motivou a empresa a certificar LEED Platinum o Primavera Office. “Esse é um edifício que foi construído para locação, não para a venda. E quando a gente fala em sustentabilidade, o importante é pensar no longo prazo. Diversos elementos tecnológicos foram pensados para economizar água e energia e, com isso, também garantir uma valorização do ativo a partir da percepção de valor do cliente”, argumenta.

O engenheiro de obras, Flavio Ludvig, diz que a percepção de valor em trabalhar num edifício verde já é sentida por quem frequenta o local. “Os clientes estão cientes que o prédio tem esses diferenciais e tudo isso vai trazer um retorno a longo prazo na utilização do prédio, principalmente na questão do bem-estar deles e na questão financeira, no sentido de reduzir os custos operacionais”, reforça.

LEED Platinum
Foto: Divulgação

O resultado é o aumento da velocidade de locação e, consequentemente, a baixa vacância das unidades. “Isso nos levou a uma ocupação de aproximadamente 100% do prédio. Numa região que deve ter uma vacância de 30% a 40%, nós temos uma taxa de 2% a 3%, o que está muito relacionado à questão da sustentabilidade”, ressalta Marcelo.

Engana-se quem pensa que para se chegar a esse resultado a empresa teve que aportar mais recursos na construção. Ludvig conta a fórmula. “Se o projeto for bem pensado e nós tivermos um bom parceiro ao nosso lado, é possível ter um edifício mais eficiente e sustentável sem custo extra. Pelo contrário, conseguimos até igualar o preço de construção ao de um prédio convencional. Antigamente, o custo adicional podia chegar até 30%. Hoje a gente já desmistificou isso”, afirma.

O Primavera é o sexto edifício certificado LEED Platinum em Santa Catarina. Todos eles atingiram o mais alto nível na certificação e contaram com a consultoria da Petinelli. Em Santa Catarina, 35% dos projetos certificados LEED alcançam o nível Platinum, enquanto no resto do país, apenas 9% dos projetos chegam nesse resultado.

LEIA MAIS:

- Publicidade -