A Olimpíada do Rio de Janeiro tem atraído os olhares do mundo para a cidade carioca. O município não prepara apenas estruturas esportivas, mas já prevê novidades no transporte e, principalmente, no setor imobiliário. O famoso empresário norte-americano Donald Trump enxergou esse potencial e anunciou a construção de um complexo empresarial e sustentável na cidade.

O projeto, feito pelo escritório de arquitetura Aflalo & Gasperini, conta com cinco grandes torres, com 38 andares cada uma, e deve ter suas obras iniciadas no segundo semestre de 2013. O local escolhido para abrigar o empreendimento é a zona portuária, uma área que está passando revitalizações e será um dos principais palcos da olimpíada.

Ao ser finalizado, o empreendimento contará com cinco torres. Mas, a primeira etapa do cronograma, que deve ser concluída antes dos jogos olímpicos, conta com a finalização de duas torres. O restante ainda não tem prazo determinado, conforme informado pelo herdeiro Donald Trumo Jr., durante sua visita ao Brasil.

A Even foi a principal construtora escolhida para o projeto e ela já tem sido uma importante investidora em edificações de empreendimentos sustentáveis e certificados. Por isso, as aplicações de elementos verdes à estrutura é tão essencial.

As cinco torres terão as mesmas medidas e a aparência também é bastante semelhante. A única diferença entre elas devem ser os jardins dispostos em andares alternados. Isso afetará levemente a fachada, mas é mais um dos atrativos dos edifícios que mesclarão a arquitetura tradicional de fachadas de vidro, com as plantas.

Os prédios contarão com sistemas de eficiência energética, captação de água da chuva e tratamento de águas residuais. Para minimizar os impactos dos raios solares, incidindo diretamente sobre as janelas da fachada, os arquitetos aproveitaram grelhas de ventilação, um elemento de sombreamento, que utiliza vidros de alto desempenho para otimizar a iluminação natural. Com informações do ArchDaily.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.