- Publicidade -

Os recém completos 21 andares da Torre UNStudio, em Amsterdã, demonstram uma intensa preocupação com a arquitetura sustentável. Na edificação a sustentabilidade não foi tratada como complemento, mas está presente em cada detalhe da construção.

O prédio faz parte de um conjunto de seis edifícios situados no coração do Eixo Sul, em Amsterdã, que conecta o Aeroporto Schiphol às grandes áreas de negócios no sul da capital holandesa.

Chamado de Mahler 4 urban, o complexo tem 38 mil metros quadrados de área residencial, 162 mil metros quadrados de escritórios e 30 mil metros quadrados de lojas, cafés, restaurantes e um centro de esportes.

- Publicidade -

No projeto para a torre UNStudio, as soluções integradas sustentáveis incluem materiais, clima e economia de energia das instalações. No primeiro item considerado na construção, foram utilizados materiais de alta qualidade e duráveis, justamente para reduzir a frequência da substituição. Além disso, os  equipamentos de todo o edifício são de estruturas leves, que resultam na menor quantidade de materiais necessários para construir as fundações.

O segundo elemento considerado, o clima, inclui o desenho de uma fachada com lamelas de diferentes alturas, larguras e profundidades, controlando tanto a penetração da luz direta do sol, como a poluição sonora para cada face e andar da construção. A instalação de vidros térmicos permitem a incidência de luz suficiente, enquanto reduzem a penetração direta dos raios solares.

A economia de energia das instalações é o terceiro ponto fundamental para que essa construção fosse sustentável. Um sistema de armazenamento subterrâneo de energia reduz o consumo de energia de 30 a 35,7%. Luminárias de baixo consumo energético com sensores de movimento controlam também diferenciação de níveis de luz e conforto térmico. Instalações sanitárias incluem cisternas de economia de água e uso de água cinza.

A estética da torre recém construída incorpora considerações sobre layouts de escritório, e a organização dos andares maximizam a vista e o acesso à luz. Quatro espaços vazios foram introduzidos na fachada do edifício para permitir o agrupamento interno de escritórios, e para ajudar a trazer mais luz para o andar. Cada espaço vazio é caracterizado por uma cor diferente, fornecendo diversas identidades para os espaços individuais de todo o edifício. As listras horizontais na fachada são feitas de painéis de alumínio branco, que variam em tamanho em relação a sua posição na fachada. A principal função destas bandas é proteger o espaço do escritório da luz direta do sol, ao mesmo tempo que permite a extensiva penetração de luz do dia entre os andares. Esses espaços vazios podem ser transformados em varandas externas usadas para pequenas reuniões ou meditações pessoais.

Siga as últimas notícias do CicloVivo no Twitter

- Publicidade -