Quando pensamos na construção ou reforma de uma casa com recursos e tecnologias que a tornem mais sustentável, o valor do investimento inicial normalmente é um obstáculo. Mas quem optou por um lugar autossuficiente para se viver, garante que, a longo prazo, o investimento vale a pena.

É o caso dos australianos Geoff Carroll e Julie Young. Eles contrataram o escritório de arquitetura CplusC Architectural Workshop para reformar uma antiga casa dos anos 80 e transformá-la em um lugar sustentável, que respeite o meio ambiente e também o bolso dos moradores, que passariam a economizar em faturas de água e energia, além de produzir parte dos alimentos que consomem.

Os dois trabalham com soluções sustentáveis e queriam uma casa que refletisse suas escolhas de vida e compromisso com o planeta. E alcançaram este objetivo: a casa onde vivem tem sistemas de captura e tratamento de água da chuva para reuso, jardins verticais, hortas, sistemas de aquaponia, painéis solares e até mesmo um galinheiro.

A temperatura no interior da casa foi alterada por mudanças estruturais, diminuindo a necessidade do uso de ar condicionado. Amplos espaços verdes foram construídos do lado de fora. O número de dormitórios foi reduzido de 4 para 2, com ambientes mais amplos. E a garagem se transformou em uma horta com princípios da permacultura.

Uma tubulação foi instalada para conduzir a água da chuva a uma cisterna subterrânea, de onde ela sai para ser usada na lavanderia, banheiros e jardins.

O jardim que fica nos fundos da casa tem um sistema de aquaponia que otimiza o cultivo de hortaliças, uma área para compostagem, uma horta e um galinheiro.

Para finalizar o projeto, foram instalados um sistema termo solar para aquecimento de água e painéis fotovoltaicos para fornecimento de energia elétrica.