Inicio Tecnologia EUA e China se unem para criar técnica que transforma plástico em combustível

Tecnologia

EUA e China se unem para criar técnica que transforma plástico em combustível

São produzidas, anualmente, 299 toneladas métricas deste material, que acabam indo para aterros sanitários ou oceanos.

24 de junho de 2016 • Atualizado às 15 : 05

O plástico é um enorme problema ambiental mundial. | Foto: iStock by Getty Images

EUA e China se unem para criar técnica que transforma plástico em combustível
3.64K
0

Pesquisadores norte-americanos e chineses têm trabalhado juntos na criação de um sistema mais eficiente que transforma plásticos em combustível. O processo se baseia na técnica de metátese de alcenos e é capaz de reaproveitar o polietileno sem que seja necessário um tratamento prévio.

O estudo que apresenta o processo foi publicado recentemente na revista científica “Science Advances”. O material mostra que os cientistas do Instituto de Xangai de Química Orgânica e os pesquisadores da Universidade da Califórnia, têm trabalhado em conjunto para o desenvolvimento de um método mais eficiente para regenerar o plástico.

Os processos já conhecidos atualmente para transformar o plástico em líquido se baseiam na submissão do material a um grande calor ou radiação ultravioleta. Mas, esses modelos possuem baixa eficiência energética e garantem pouco controle sobre o produto.

A técnica apresentada no novo estudo é conhecida como Mistura Metátese de Alceno (CAM). O processo envolve o uso de dois catalisadores para criar reações químicas que, basicamente, dividem as substâncias usadas na fabricação do polietileno, seja ele usado para fazer sacolas, garrafas ou outros produtos.

“Após vários ciclos de CAM com o uso de alcanos leves, o polietileno é convertido em hidrocarbonetos curtos, adequados para o uso como combustível”, diz o estudo.

O plástico é um enorme problema ambiental mundial. São produzidas, anualmente, 299 toneladas métricas deste material, que acaba sendo destinada a aterros sanitários ou oceanos.

Clique aqui para acessar o estudo.

Redação CicloVivo

(3635)

logo
Fechar
Abrir
logo