Boldo para auxiliar a digestão, guaco para curar gripe, baleeira para cicatrização, alecrim para curar depressão e lavanda para relaxar. Essas ervas medicinais são exemplos de plantas que podem ser encontradas nas Hortas Medicinais das Unidades de Saúde de Florianópolis, capital de Santa Catarina.

Natureza como remédio

Das 49 unidades de saúde do município, 26 possuem hortas medicinais. O projeto é uma parceria entre Prefeitura de Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e a comunidade. O objetivo é a distribuição gratuita de plantas fitoterápicas e temperos aos pacientes e à população em geral.

O médio da família, Igor Tavares Chaves, que atua na unidade da Prainha, relata que os chás podem auxiliar, por exemplo, no tratamento da dor crônica, no combate ao estresse, ansiedade e depressão. “As plantas medicinais têm sido usadas, principalmente, para evitar o uso crônico de algumas medicações que podem levar à dependência. Algumas delas têm bons estudos e têm benefício similar ou superior a algumas medicações”, diz.

Programa

As hortas medicinais integram o programa de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde, área em que Florianópolis é considerada referência pelo Ministério da Saúde. Além das hortas, são oferecidas à população práticas integrativas, como yoga, biodanza, lian gong, qi gong, dança circular, além de sessões de acupuntura, Auriculoterapia, massoterapia, reflexologia e Reiki. Os usuários interessados devem buscar informações junto a unidade de saúde do bairro onde moram e verificar quais profissionais oferecem as práticas.

O secretário da Saúde, Carlos Alberto Justo da Silva, reforça que as práticas integrativas ampliam o conceito e fortalecem a construção coletiva do cuidado em saúde, por isso, merecem espaço na rede pública.

Foto: Francelise Martini/Divulgação/pmf

As informações são da Prefeitura de Florianópolis

Leia mais: SUS inclui 10 novas terapias alternativas