O bicicletário do Edifício Pátio Victor Malzoni, localizado em uma das principais avenidas da cidade de São Paulo, cresceu. O espaço passou de 122 vagas para 166. A ampliação deve-se à grande adesão dos usuários do prédio a este meio de transporte.

Além do espaço para guardar bicicletas, o edifício oferece aos seus condôminos serviço de vestiários, guarda volumes, toalhas e sabonetes para quem quiser se trocar ou tomar banho antes do trabalho. O prédio oferece ainda serviços de aluguel de bicicleta e de mecânico, além de disponibilizar uma loja com acessórios e peças.

O serviço de locação estimula os usuários a utilizar o meio de transporte para se deslocar durante o dia. Já os visitantes que forem participar de reuniões em empresas instaladas no prédio podem contar com um serviço de valet para suas bicicletas.

O gerente de compras Marcelo Miura, que trabalha em um dos escritórios do condomínio, utiliza a bicicleta praticamente todos os dias desde que passou a trabalhar no prédio da Av. Faria Lima. “Não suporto ficar parado no trânsito e há muito tempo tinha vontade de usar a bicicleta como meio de transporte, mas só agora tive a oportunidade de trabalhar em um prédio com infraestrutura para isso. Ganho tempo e me exercito”, diz.

Outro ciclista que aproveita a estrutura é o analista pleno, Rodrigo Fonseca. Adepto da bicicleta há anos, ele diz que a existência do bicicletário e de uma estrutura especial de apoio ao ciclista foram fatores fundamentais para sua decisão de trabalhar no edifício.  “Já usei os serviços da oficina e sempre utilizo o armário para deixar meus pertences. O bicicletário é nota dez e, além de tudo, prima pela segurança”, diz.

De acordo com Flávio Engel, gerente de operações prediais da CBRE – administradora do condomínio – a ampliação da infraestrutura do bicicletário é decorrência do sucesso do serviço. “Estamos fazendo a nossa parte para que a cidade fique menos poluída e congestionada. Temos uma ciclovia bem em frente ao nosso prédio e acreditamos que a ampliação do serviço estimule mais usuários a trocarem o carro pela bicicleta”, diz Engel – que também é ciclista.