A equipe responsável pelo Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) do Instituto Argonauta foi acionada há duas semanas para atender uma ocorrência chocante envolvendo um Golfinho (Sotalia guianensis) encontrado morto na Praia do Sapê em Ubatuba, litoral norte paulista.

No mesmo dia, a equipe do Instituto Argonauta realizou a necropsia do animal, que trouxe conclusões estarrecedoras. Foi constatada a morte do indivíduo em função de uma tira de chinelo, que provavelmente, permaneceu preso ao golfinho por meses, levando a inanição e uma grave infecção.

Segundo o laudo inicial da necropsia, a interação antrópica (causada pelo homem), por resíduo sólido (tira de borracha do chinelo), presa na região rostral (focinho) do golfinho gerou uma lesão muito grave no maxilar superior, impedindo o animal de se alimentar.  Consequentemente, causando uma desnutrição severa e consequentemente a morte.

golfinho_rezise
Divulgação/Instituo Argonauta

“A cena é triste. Tudo indica que o animal passou meses com esse pedaço de chinelo enroscado ao corpo”, conta Carla Beatriz Barbosa, coordenadora do PMP-BS no Instituto Argonauta.

Segundo Carla, não foi somente a equipe que ficou chocada com a cena. “O episódio causou comoção não só por parte dos nossos monitores, mas também da comunidade local. As pessoas que viram estavam realmente inconformadas”.

O caso dá luz à importância sobre a conservação do ambiente marinho, já que a poluição está entre as principais causas de mortalidade da fauna, perdendo apenas para a pesca predatória, na qual milhares de espécies morrem por ficarem presas acidentalmente nas redes.

golfinho2_rizise
Divulgação/Instituo Argonauta

“Casos ruins como este são chocantes, mas precisamos e devemos divulgar para que as pessoas saibam que até um simples chinelo esquecido na beira do mar pode levar à morte um animal marinho ameaçado de extinção”. Explica Hugo Gallo, oceanógrafo e presidente do Instituto Argonauta.

Segundo Gallo, infelizmente, este não é o primeiro caso do gênero. “No Museu da Vida Marinha, no Aquário de Ubatuba, temos um peixe espadarte (Xiphias gladius) morto por um carretel de pesca preso a boca”, relembra Gallo.

O PMP-BS é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Pólo Pré-Sal da Bacia de Santos. O projeto é conduzido pelo IBAMA e coordenado pela Univali sob a responsabilidade do Instituto Argonauta no litoral norte do estado de SP.

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.