- Publicidade -

Um dos lugares mais bonitos do Brasil, considerado um verdadeiro paraíso natural está ameaçado pelo lixo. Fernando de Noronha tem sofrido com a falta de estrutura para destinar corretamente todos os resíduos produzidos na ilha.

A área próxima à praia da Cacimba do Padre é um exemplo de como a produção de lixo na ilha está fora de controle. O local conhecido como “lixão” deveria ser a usina de compostagem, porém quem passa atualmente pela região consegue avistar uma quantidade enorme de lixo depositado a céu aberto.

O que diferencia o local dos aterros sanitários ou dos lixões é que os resíduos estão separados e armazenados em grandes sacos. Isso, no entanto, não é o suficiente para impedir que o odor ruim e o perigo do lixo se espalhe pelas redondezas.

- Publicidade -

Conforme informações publicadas no jornal Folha de S. Paulo são produzidas 8,8 toneladas de resíduos na baixa temporada. No período em que a ilha é mais visitada por turistas o lixo pode chegar a dez toneladas. Como Fernando de Noronha é uma área protegida ambientalmente e não possui estrutura para cuidar da reciclagem ou descarte desses resíduos, 63% do lixo deveria ser levado para o continente através de navios. Na prática não é isso o que acontece. As embarcações não conseguem carregar todos os resíduos e sobram, pelo menos, 15 toneladas de lixo por viagem.

Esse lixo armazenado inadequadamente no terreno da Usina de Compostagem pode trazer ainda mais problemas, já que os resíduos orgânicos são transformados em adubo e precisam de um controle rígido com o material que é usado, pois podem contaminar os alimentos.

Outro fator de risco é a quantidade de aves, principalmente garças, que são atraídas ao local por causa do lixo. Isso pode trazer perigo ao aeroporto que está instalado próximo à área do “lixão”.

O governo de Pernambuco, responsável pela administração do arquipélago de Noronha, informou que está trabalhando em um plano de gerenciamento de resíduos sólidos e que novas medidas devem ser aplicadas até julho deste ano. Com informações da Folha.

Redação CicloVivo

Siga as últimas notícias do CicloVivo no Twitter

- Publicidade -