- Publicidade -

O estudo feito por cientistas americanos e publicado na revista especializada “Environmental Health Perpectives” mostra que a exposição à poluição automotiva pode trazer danos cerebrais.

Os especialistas passaram dez semanas analisando as modificações ocasionadas em seres que permaneceram expostos à poluição por quinze horas diárias. Os resultados mostraram que as pequenas partículas podem danificar o cérebro à medida que ocorre uma exposição em longo prazo.

A poluição considerada foi causada por partículas de ar microscópicas, com o tamanho de um milésimo de largura de um fio de cabelo humano e que normalmente não são capturadas pelos sistemas de filtros automotivos. Essa poluição é imperceptível aos olhos, mas são facilmente inaladas.

- Publicidade -

Segundo Caleb Finch, da Universidade do Sudoeste da Califórnia e um dos autores do estudo, a poluição não pode ser vista, mas causa efeitos no cérebro que aumentam as possibilidades de problemas de saúde em longo prazo.

Os sinais observados podem afetar os neurônios da aprendizagem e da memória, também foram detectadas possíveis inflamações associadas ao envelhecimento precoce e à doença de Alzheimer.

A pesquisa deve servir como alerta para que se desenvolvam maneiras de proteger os moradores de grandes cidades, que sofrem diariamente com a grande quantidade de gases poluentes emitidos pelos automóveis. Com informações do G1.

Redação CicloVivo

Siga as últimas notícias do CicloVivo no Twitter

- Publicidade -