- Publicidade -

Um estudo divulgado na última terça-feira (24) mostra que pessoas que participaram das operações de limpeza do maior vazamento de óleo da Espanha, no final de 2002, apresentaram alterações em seu DNA e problemas pulmonares.

A pesquisa realizada por cientistas espanhóis, entre setembro de 2004 e fevereiro de 2005, foi divulgada na revista americana “Annals of Internal Medicine”.

Ao todo, foram estudados 501 marinheiros que aturam na limpeza e 177 que não participaram. O informe mostra que "os marinheiros espanhóis que participaram da limpeza da maré negra na costa têm uma frequência maior de problemas respiratórios (…) e alterações cromossômicas nos linfócitos, em comparação com aqueles que não participaram da limpeza".

- Publicidade -

Conforme divulgado no estudo, as alterações observadas nos linfócitos podem provocar um risco maior de câncer. Mesmo assim, os pesquisadores advertiram que “o estudo não prova que a exposição ao petróleo tenha causa estas anomalias”. No entanto, a mesma pesquisa indica que “a exposição aos sedimentos de petróleo, inclusive por um curto período, pode ter efeitos negativos para a saúde”.

"Como, infelizmente, haverá outras marés negras, é crucial que as autoridades responsáveis pelas operações de limpeza tomem medidas apropriadas para garantir a proteção sanitária daqueles que participam destas operações", concluem os pesquisadores. Eles pedem um acompanhamento sistemático da saúde dos trabalhadores após a limpeza.

O maior acidente petrolífero da Espanha aconteceu em 13 de novembro de 2002. Quando o navio petroleiro liberiano ”Prestige”, com bandeira das Bahamas, afundou na costa da Galícia, no norte da Espanha.

A embarcação carregava 70 mil toneladas de óleo combustível, cerca de 50 mil toneladas foram derramadas no mar e contaminaram milhares de quilômetros do oceano atlântico. Mais de 300 mil pessoas foram escaladas em toda a Europa para participar das operações de limpeza.

O início do julgamento dos responsáveis pela catástrofe está previsto para o final deste ano.

Com informações da Folha de São Paulo

- Publicidade -