pantanal
Foto: Luciano Candisani
- Publicidade -

A maior planície úmida do planeta está mais seca. A diferença entre o total da área coberta por água e campos alagados registrada na cheia de 1988/1989 e na de 2018 é de 29%. Na primeira cheia registrada na série histórica de imagens de satélite analisadas pelo MapBiomas, esse total era de 5,9 milhões de hectares. Na última, em 2018, a área alcançou apenas 4,1 milhões de hectares.

Em 2020, esse valor foi de 1,5 milhões de hectares, o menor nos últimos 36 anos. Mais seco, o Pantanal está também mais suscetível ao fogo. Os períodos úmidos favorecem o desenvolvimento de plantas herbáceas, arbustivas, aquáticas e semi-aquáticas, acumulando biomassa. No período seco, a vegetação seca vira combustível para o fogo.

De todos os biomas brasileiros, o Pantanal foi o que mais queimou nos últimos 36 anos: 57% de seu território foi queimado pelo menos uma vez no período, ou 86.403 km². Áreas de vegetação campestre e savanas foram as mais afetadas, respondendo por mais de 75% das áreas queimadas.

- Publicidade -
pantanal
Foto: Rogério Florentino | Greenpeace

Ao todo, 93% do fogo no período ocorreu em vegetação nativa; apenas 7% ocorreu em área antrópica. Em 2020 foram mais de 2,3 milhões de hectares queimados, desde 1985 esse valor só é menor do que a área queimada de 1999, com 2,5 milhões de hectares.

Enquanto 83,8% da planície estava coberta por vegetação nativa em 2020, no planalto, isso ocorreu em apenas 43,4% do território. Pastagens degradadas, a falta de florestas que protegem nascentes e rios, a construção de hidrelétricas, afetam o fluxo dos rios, que também sofrem com a deposição de sedimentos que reduzem a vazão da água, no planalto e na planície.

O uso antrópico no Pantanal cresceu 261% entre 1985 e 2020, ganhando 1,8 milhão de hectares. Nesse período, a área de pastagens na Bacia do Alto Paraguai dobrou, de 15,9% em 1985 para 30,9% em 2020. A agricultura, por sua vez, quadruplicou, passando de 1,2% em 1985 para 4,9% em 2020. Já a formação savânica, caiu de 24,4% em 1985, para 18% em 2020. Em 2020, 40% da Bacia do Alto Paraguai possui uso agropecuário.

“A conservação do Pantanal, sua cultura e seu uso tradicional dependem dos ciclos de inundações e dos rios que nascem na região do Planalto, onde ficam as cabeceiras da Bacia do Alto Paraguai.”

Eduardo Rosa, MapBiomas
pantanal água
Foto: Luciano Candisani

Livro e exposição revelam imagens das águas do Pantanal 

O fotógrafo Luciano Candisani realizou expedições pelo Pantanal e suas nascentes nos últimos dez anos e reúne seus registros sobre a imensidão aquática do Pantanal no projeto TERRA DÁGUA PANATANAL, composto por um livro fotográfico e exposição com lançamento no Estúdio 41 no dia 28 de setembro.

“De longe ou de perto, as fotografias desse ensaio jamais prescindem do fio condutor líquido: a água está presente em todas as imagens, assim como em tudo o que tem vida”, explica Candisani.

Arte e documento se misturam nas 75 fotografias do livro, sendo a maioria delas elaboradas em incursões no período da cheia, quando os rios transbordam e o Pantanal vira um mar interior.

O Estúdio 41 promove conversas presenciais e gratuitas entre Luciano Candisani e personalidades distintas. No dia 29 de setembro, quarta-feira, às 18h, o fotógrafo conversa com a jornalista especializada em sustentabilidade Paulina Chamorro. O segundo encontro acontece entre Candisani e Araquém Alcântara para conversar sobre Fotografia Documental e o bioma Pantanal, no dia 14 de outubro, quinta-feira, às 18h. É necessário fazer inscrição prévia pelo site do Estúdio.

O livro possui uma Edição de Colecionador, aos moldes de MAGNA, de Cristiano Xavier, patrocinada pela Vento Leste e que será doada para o Documenta Pantanal. Toda a renda será revertida para entidades engajadas no combate aos incêndios na região.

Artistas arrecadam mais de R$ 2 milhões para combate ao fogo

Realizada pela iniciativa Documenta Pantanal, a campanha Artistas pelo Pantanal superou a meta e alcançou R﹩ 2.113.950,00, que serão totalmente destinados para equipar e treinar brigadas de combate ao fogo que atuam na região. A ação contou com doações de obras de 42 artistas e o valor das vendas será usado pelo SOS Pantanal para a manutenção de 14 brigadas de incêndio que atuam no Pantanal pelo período de três anos.

pantanal
Foto de Araquém Alcântara, uma das obras da campanha Artistas pelo Pantanal.

Os recursos vão financiar a aquisição de equipamentos e a realização de treinamento dos brigadistas. “Organizamos treinamentos, que já estão em curso, em parceria com os bombeiros militares da reserva, que são cadastrados como instrutores, e com o IBAMA/Prevfogo, que são especialistas em combates de incêndios florestais”, conta Leonardo Gomes, diretor de relações institucionais da SOS Pantanal.

Em 2020, o Pantanal enfrentou uma onda de incêndios que consumiu mais de 4 milhões de hectares, o que corresponde a 26% da área do bioma. A maior seca registrada nos últimos 47 anos, aliada ao manejo do fogo feito de forma incorreta por produtores para a limpeza de pastos, culminou na tragédia que gerou a morte de animais e destruição da vegetação. Nesse cenário, a campanha Artistas pelo Pantanal visa colaborar para a estruturação das brigadas, e a ideia é que as comunidades estejam melhor preparadas para o enfrentamento inicial de focos de incêndio, antes da chegada de bombeiros e outros profissionais.

- Publicidade -