Um passeio pela Baía de Guanabara serviu para o presidente da Autoridade Pública Olímpica (APO), Márcio Fortes, observar as condições da água do local que receberá as competições de vela dos Jogos Olímpicos de 2016. Durante uma hora e 20 minutos, Fortes apontou para os integrantes dos grupos de Sustentabilidade e de Saneamento da APO lugares onde se podia ver a poluição, com lixo ou com óleo.

A avaliação, feita na última sexta-feira (3), foi a segunda realizada pelo presidente da APO. Na primeira, acompanhado do biólogo Mário Moscatelli, Fortes sobrevoou, de helicóptero, a Baía de Guanabara e não gostou do que viu. Segundo ele, na segunda expedição a situação foi um pouco melhor, mas ainda existe a ressalva de que as condições da poluição dependem da maré.

"A visão do alto é bem diferente de sair pelo mar onde se perde a perspectiva. Do alto você vê as manchas de óleo, a quantidade de lixo depositada em diversas áreas, sobretudo nas margens quando a maré está baixa. A qualidade da água se pode sentir do alto, e é possível ver como a poluição avança. Eu hoje não vi muito lixo, mas isso também depende da maré alta ou baixa. Hoje até que estava razoavelmente limpo. A qualidade a gente só pode sentir do alto, de helicóptero, mas se a gente for olhar as margens próximas à Marina da Glória ou no Caju, é inacreditável", disse. ressaltando que ficou assustado com a quantidade de lixo.

Segundo Fortes, as duas avaliações vão gerar um relatório que será encaminhado ao governo federal para discussão das soluções emergenciais a fim de diminuir a poluição da baía. "O Programa de Despoluição da Baía de Guanabara vem de muito tempo, vem da década de 1990, e os resultados não foram os esperados. Então, temos que pensar agora em soluções que tragam para as competições uma qualidade de água desejável e ausência de lixo”, declarou.

O passeio normalmente é feito no rebocador Laurindo Pitta, mas como ele passa por manutenção, está sendo usada a escuna Nogueira da Gama. A viagem é uma das atrações turísticas do Rio de Janeiro. O ponto de partida é o Centro Cultural da Marinha, na Praça XV, no centro do Rio. Para Márcio Fortes, o fato de levar tantos turistas para conhecer a Baía de Guanabara, o passeio também acaba deixando evidentes as condições ambientais do local. "O turista constata que o poder público tem que fazer alguma coisa para combater a questão e sobretudo a presença de lixo na Baía de Guanabara", finalizou. 

Por Cristina Indio do Brasil – Agência Brasil

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.