Quando o assunto é avanços na pauta ambiental, a Costa Rica certamente entra na conversa. Após perder mais de 50% de sua vegetação nativa para a criação de gado, o país começou a implementar medidas de preservação e recuperação de suas florestas, tornou o uso da energia renovável uma realidade constante e hoje o país desponta como exemplo para toda a América Latina com seu Plano Nacional de Descarbonização. 

O plano prevê ações até 2050, ou seja, é um importante documento norteador para políticas públicas das próximas décadas. É uma grande inspiração da Costa Rica, que hoje está 30ª posição no Índice de Desempenho Ambiental (EPI, na sigla em inglês), método que avalia e classifica países com base em suas políticas ambientais. Para fins de conhecimento, o Brasil ocupa a 69ª posição. 

O site oficial do governo apresenta uma síntese de seu plano. Confira abaixo:

Metas concretas

A estratégia tem 10 eixos com objetivos muito específicos:

1 – Desenvolver um sistema de transporte público e mobilidade compartilhada segura, alimentada por energia renovável (sem emissões) e tão eficiente que torne o uso de um carro particular menos atraente. Foco também em aumentar o uso de pelo menos 10% dos modais não motorizadas.

Objetivos

2035: 70% dos ônibus e táxis terão emissões zero, o TRP (trem rápido) operará 100% elétrico

2050: o sistema de transporte substituirá os veículos particulares como a principal opção de mobilidade

2050: 100% dos ônibus e táxis terão emissões zero

2 – Transformar progressivamente a frota veicular de carros leves movidos a combustíveis fósseis para veículos com emissão zero e promover modelos de negócios autônomos compartilhados. 

O país implementará uma extensa rede de recarga elétrica em todo o país e com infraestrutura complementar para tecnologias de emissão zero, por exemplo, estações de hidrogênio.

Objetivos

2025: O crescimento das compras de motos será estabilizado e padrões serão adotados para favorecer as vendas de motos de emissão zero

2035: 25% da frota de veículos será elétrica

2050: 100% das vendas de veículos leves novos serão veículos de emissão zero e 60% da frota de veículos leves – privados e públicos – terão emissões zero.

3 – Reduzir o impacto ambiental do transporte de cargas no país, favorecendo a adoção de tecnologias energeticamente eficientes e veículos de baixo carbono.

Objetivos

2022: País terá inventário público sobre as emissões da frota de veículos de carga. Planos pilotos serão implementados para aumentar a eficiência dos caminhões, melhorando a logística de transporte.

2050: Pelo menos 50% do transporte de carga será altamente eficiente e reduzirá as emissões em 20% em relação às emissões de 2018.

4 – Consolidar um sistema nacional de energia elétrica capaz de fornecer e gerenciar energia renovável a um custo competitivo para os usuários. Melhorar a gestão eficiente de clientes e territórios através da digitalização de processos institucionais e comerciais.

Objetivos

2030: A matriz elétrica do país deve operar 100% com energia renovável

2050: A eletricidade será a principal fonte de energia para o setor industrial de transporte, residencial e comercial.

5 – Desenvolver edifícios comerciais, residenciais e institucionais sob alta eficiência e baixos padrões de emissão.

Objetivos

2030: 100% dos novos edifícios comerciais, residenciais e institucionais serão projetados e construídos adotando sistemas de resiliência e tecnologias de baixa emissão.

2050: 100% dos edifícios comerciais, residenciais e institucionais operarão com baixos padrões de emissões, implementando também o uso de energia renovável nos processos de cozimento e água quente.

6 – Modernizar o setor industrial através da aplicação de processos elétricos, sustentáveis ​​e mais eficientes.

Objetivos

2030: Haverá uma estratégia e modelo de negócio de design integral que considera as ações necessárias para mitigar e assumir a responsabilidade pelo impacto de um produto desde seu nascimento, distribuição e posterior descarte.

2050: O setor industrial dependerá mais de fontes de energia de baixa emissão.

7 – Desenvolver um sistema integrado de gestão de resíduos baseado na separação, reutilização, reavaliação e disposição final de máxima eficiência e baixas emissões.

Objetivos

2022:  Haverá uma Estratégia e Plano Nacional para Melhores Opções Tecnológicas para reduzir as emissões de metano a partir de resíduos orgânicos.

2030: A Costa Rica terá uma cultura cidadã e empresarial voltada para uma menor geração de resíduos e seu bem-sucedido gerenciamento.

2050: 100% do território terá soluções para a coleta, separação, reutilização e disposição de resíduos.

8 – Apoiar a adoção de tecnologia de alimentos eficiente e com baixa emissão de carbono, que gere bens de exportação e também para consumo local.

Objetivos

2050: Pelo menos 50% do transporte de carga será altamente eficiente e reduzirá as emissões em 20% em relação às emissões de 2018.

9 – Consolidar modelos pecuários baseados na eficiência da produção e redução de gases de efeito estufa.

Objetivos

2050: Produtores nacionais terão adotado a mais avançada tecnologia de acordo com padrões de sustentabilidade, competitividade e baixas emissões.

10 – Consolidação de um modelo de gestão para territórios rurais, urbanos e costeiros que facilite a proteção da biodiversidade, o aumento e manutenção da cobertura florestal e serviços ecossistêmicos baseados em soluções baseadas na natureza.

Objetivos

2030: Aumentar a cobertura florestal na Costa Rica para 60% para consolidar corredores biológicos e aumentar a disponibilidade de áreas verdes para recreação.