Na manhã desta quarta-feira (10) foi divulgada a primeira imagem de um buraco negro da história, capturada pelo projeto Event Horizon Telescope. Dentro do ponto escuro está o buraco negro – um lugar tão gravitacionalmente denso que nada pode escapar dele, nem mesmo a luz.

As auréolas laranja que circundam o buraco são emitidas por gases quentes, girando em torno dele sob a influência da forte gravidade perto do horizonte de eventos – o ponto além do qual nem a luz pode escapar antes de cair no vazio.

Para capturar esta imagem, uma rede de telescópios ao redor do globo coordenou esforços para observar o buraco negro que fica no centro de Messier 87, uma enorme galáxia no aglomerado de galáxias vizinho de Virgem, a 55 milhões de anos-luz da Terra e tem uma massa de 6,5 bilhões de vezes a massa do Sol.

Esse esforço para criar um telescópio “do tamanho da Terra” resultou em cinco petabytes de dados (“o equivalente a bilhões de vídeos de gatos”, segundo pesquisadores da EHT) que os pesquisadores refinaram para criar essa primeira imagem histórica.

“Estou muito feliz em informar que pela primeira vez nós vimos o que pensávamos ser invisível. Tiramos a primeira foto de um buraco negro”, disse Shep Doeleman, diretor responsável pelo telescópio Event Horizon.

Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.