- Publicidade -

Crianças de seis a 13 anos de diversos lugares do mundo estão recebendo educação através de uma plataforma pedagógica apoiada em vídeos, avaliações e exercícios. A proposta é do engenheiro Neil Dsouza, que abandonou seu emprego na Cisco nos Estados Unidos para trabalhar pela educação.

Dsouza ensinou matemática a uma menina de 15 anos, chamada Zaya, que morava em um orfanato na Mongólia. Empolgada, ela traduziu 250 vídeos da instituição Khan Academy, que levou as aulas para a instituição, e ajudou outras crianças a também aprenderem a disciplina.

Esse foi o estimulante para que o engenheiro espalhasse sua metodologia nas escolas em zonas rurais e pobres da Indonésia e da Mongólia, criando a ONG Zaya, em 2011. Ao longo do tempo ele percebeu que em muitos lugares havia computadores, mas sem acesso à internet.

- Publicidade -

Foi então que criou uma micronuvem capaz de armazenar dados (as aulas) e dar acesso Wi-Fi a essa nuvem (por meio de um roteador) a computadores e aparelhos móveis. O sistema ainda conta com uma bateria que dura dez horas, de forma que ele funciona mesmo onde não há energia elétrica.

A partir do segundo ano de trabalho, ele notou que também era preciso adaptar os conteúdos de acordo com o contexto da região, nem sempre apenas traduzir as aulas era suficiente.

Hoje há modelos prontos de vídeos, avaliações, exercícios. Eles propõem um novo tipo de aprendizado baseado em habilidades e podem ser adaptados a vários tipos de conteúdo. O sistema aprimorou-se a tal ponto que ele avalia como as crianças estão aprendendo. Neste ano, Dsouza está com seu projeto na Índia e pretende visitar o Brasil em 2014. Com informações do Terra.

Redação CicloVivo

- Publicidade -